23 maio 2004 - 19h25

Massacre no Pacaembu

Após um início de Campeonato Brasileiro bastante turbulento, o Atlético reencontrou seu bom futebol e já está há cinco jogos sem perder. Hoje, o Furacão entrou em campo no Pacaembu empolgado pela vitória sobre o Santos no último final de semana e tentando manter um tabu de seis anos sem perder para o Corinthians.

Bem armado pelo técnico Levir, o time rubro-negro soube como se portar em campo e aproveitar a má fase do Corinthians nas últimas semanas, apesar de ter vencido as duas partidas que havia disputado no Pacaembu neste Brasileirão.

Primeiro tempo

A primeira chance de gol foi do Timão, num chute forte de fora da área que Diego teve dificuldades para defender e acabou “batendo roupa”. Mas logo em seguida o Furacão deu o troco num cruzamento de Dagoberto. Porém, Marcão não chegou a tempo.

Depois disso, a partida ficou truncada no meio-campo, com poucas jogadas sendo criadas para os dois lados. A garoa que estava caindo aumentou e com os diversos passos errados a torcida passou a vaiar as equipes.

Somente aos 25 minutos o Atlético voltou a chegar com perigo. E foi quando saiu o primeiro gol do Furacão. Ilan recebeu de Marcão na área e tentou cruzar, mas foi barrado. Na seqüência o atacante rolou trás e Jadson bateu forte e com precisão para abrir o placar.

Um minuto e meio depois, Jadson voltou a marcar numa excelente jogada do rubro-negro. Dagoberto e Raulen deram dois “chapéus” pela direita e passaram para Fernandinho, que rolou para Jadson invadir a área, driblar seus marcadores e chutar forte no canto direito de Fábio Costa.

O Corinthians ficou perdido com o resultado, sendo pressionado pelos seus torcedores. Mas, foi a pressão do time rubro-negro que fez a zaga alvi-negra se atrapalhar e deixar Dagoberto na cara do gol. O atacante bateu de primeira e não deu chances para o goleiro defender.

O goleiro Diego só voltou a ter trabalho aos 44 minutos num chute forte de Wendel. Atento no lance, Diego voou para fazer uma linda e eficiente defesa. Não houve tempo para mais nada nesta etapa.

Segundo tempo
Como era de se esperar, o Corinthians foi para cima do Atlético na segunda etapa e deixou os jogadores atleticanos recuados em seu campo. Apesar do maior volume de jogo, os paulistas não conseguiram chegar com perigo à meta de Diego.

Consciente em campo, o Furacão passou a tirar proveito dos contra-ataques. Ilan teve uma grande chance após jogada de raça de Marcão, mas acabou acertando a trave corintiana. O atacante sentiu as costas e foi substituído um pouco mais tarde.

E foi em um contra-ataque que o quarto gol do rubro-negro teve origem. Dagoberto ia invadir a área, mas sofreu falta na meia-lua. Jadson cobrou forte e a bola ainda bateu no travessão antes de entrar. Um golaço!

Alegria total dos atleticanos e revolta da torcida alvi-negra, que começou a protestar bastante, pedindo reforços para a sua diretoria e chamando os jogadores de pipoqueiros. Houve até invasão em campo de um torcedor, que partiu para cima de Fábio Costa. O goleiro não gostou nem um pouco e também tentou agredir o invasor.

O calvário corintiano ainda não havia terminado. Aos 41 minutos Fernandinho acreditou numa jogada pela direita e cruzou rasteiro para Dagoberto fechar o placar em 5 a 0. Com a goleada, o Furacão pulou para a décima posição no campeonato com 11 pontos e enfrenta o atual campeão brasileiro na próxima rodada.

7ª rodada – Brasileiro – (23/05/04) – Corinthians 0 x 5 Atlético
L: Pacaembu; H: 18h; A: Márcio Rezende de Freitas (SC); CA: Marcão, Jadson, Fernandinho e Wendel; P: 6.351; R: R$ 75.566,00; G: Jadson, aos 25 e aos 27, e Dagoberto, aos 35 do 1°; Jadson, aos 15 e Dagoberto, aos 41 do 2°.

CORINTHIANS: Fábio Costa; Rogério, Anderson, Valdson e Renato (Zé Carlos 46′); Wendel (Piá 46′), Fabinho, Rincón e Gil (Bobô 66′); Marcelo Ramos e Jô. T: Oswaldo de Oliveira.

ATLÉTICO: Diego; Raulen, Marinho, Fabiano e Marcão (Rogério Corrêa 80′); Bruno Lança, William, Fernandinho e Jadson (Pingo 82′); Dagoberto e Ilan (Dennys 63′). T: Levir Culpi.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Insanidade

Louva-se o posicionamento do CAP em relação à atitude insana, egoísta e manipuladora do Flamengo, que chegou ao ponto de utilizar-se da peste alcançar seus…