7 jul 2004 - 21h25

Atlético cai diante do Paraná

Hoje realmente não foi o dia do Atlético. A equipe entrou embalada no Pinheirão, em busca das primeiras posições, para enfrentar um adversário que não vencia há 7 rodadas. Em campo, o que se viu foi uma equipe sem atitude e sofrendo com o péssimo gramado do estádio.

As melhores chances do rubro-negro na partida aconteceram justamente nos primeiros minutos de jogo, quando Raulen cobrou lateral, Fernandinho fintou seu marcador e invadiu a área. Mas o passe para trás saiu errado e ninguém conseguiu finalizar.

Após esse pouco bom momento do Atlético, quem mandou na partida foi o Paraná Clube, obrigando o goleiro Diego a fazer duas defesas espetaculares. Outra ótima chance do tricolor surgiu na cobrança de falta de William, na qual Diego foi buscar a bola no ângulo.

A pressão era toda do adversário e o Furacão não conseguia se livrar da marcação, principalmente pelo péssimo gramado, impedindo que Fernandinho, Jadson e Dagoberto – os mais habilidosos da equipe – pudessem partir para cima em jogadas individuais.

Somente por volta dos 30 minutos o rubro-negro voltou a chegar no gol de Flávio. A primeira oportunidade foi num escanteio cobrado por Jadson, que Washington cabeceou em cima de Flávio. Pouco depois Fernandinho arriscou de longe e quase marcou um golaço.

O futebol apresentado pelas duas equipes até o final da primeira etapa deixou bastante a desejar. Os jogadores tinham dificuldade para tocar a bola e tentavam ir ao ataque somente nos lançamentos longos pelo alto.

Segundo tempo
A segunda etapa começou da mesma forma que a primeira terminou, bastante truncada e irritando os torcedores no Pinheirão. Nenhum dos treinadores mexeu no time e poucas chances de gol eram criadas.

Levir percebeu a apatia e sacou Igor para a entrada de Adriano aos 19 minutos. A intenção foi boa, mas já no minuto seguindo o Paraná Clube abriu o placar com Fernando Lombardi. O gol saiu numa cobrança de falta em que o paranista cabeceou sozinho após o lançamento e Diego se atrapalhou com a bola na tentativa de defesa.

Tentando botar pressão no adversário, o técnico atleticano decidiu colocar Ilan e deixou a equipe com três atacantes, mas tirou Jadson, o elo de ligação entre a defesa e o ataque. A mexida resultou numa queda de produção e fez com que o Paraná ficasse totalmente à vontade na partida.

Com o passar do tempo, o rubro-negro ia ao gol de Flávio apenas nos lances de bola parada. Próximo ao final do jogo, Dagoberto bateu falta da esquerda e Adriano raspou de cabeça. Milagrosamente, o goleiro paranista conseguiu salvar o que seria o gol de empate do Furacão.

Os jogadores do Paraná passaram a administrar a partida e os atleticanos sofriam para tocar a bola com o péssimo gramado. Nos minutos finais, Washington teve boa chance em cobrança de falta da entrada da área, mas a bola foi longe.

O resultado quebra a seqüência de duas vitórias do Atlético e faz a equipe perder duas posições. Para recuperá-las, o time terá de vencer o Palmeiras, neste sábado, na Arena da Baixada.

Saiba mais sobre o jogo:
Análise de Paraná Clube 1 x 0 Atlético, por Bruno Rolim

13ª rodada – Brasileiro – (07/07/04) – Paraná Clube 1 x 0 Atlético
L: Pinheirão; H: 20h30; A: Carlos Jack Rodrigues Magno (PR); CA: Goiano (10′), Gélson Baresi (17′), Fabiano (23′), Raulen (68′), Chokito (71′), Axel (87′), Nélio (88′) e Adriano (89′); P: ; R: R$ ,00; G: Fernando Lombardi, aos 20 do 2°.

PARANÁ CLUBE: Flávio; Cláudio, Fernando Lombardi, Gélson Baresi e Edinho; Axel, Goiano, Marcel (Nélio 75′) e Fernando (Gilmar 66′); William (Chokito 34′) e Galvão. T: Gílson Kleina.

ATLÉTICO: Diego; Raulen, Marinho, Fabiano, Igor (Adriano 64′) e Marcão (Ivan 81′); Alan Bahia, Fernandinho e Jadson (Ilan 72′); Dagoberto e Washington. T: Levir Culpi.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…