14 jul 2004 - 19h34

Meia do Inter tropeça em mala e se machuca

Um acidente insólito pode desfalcar o Internacional de Porto Alegre no jogo do sábado contra o Atlético. O meia Alex, que atua também na lateral-esquerda, enroscou-se em sua própria mala no quarto do hotel onde a delegação colorada estava hospedada em Campinas e acabou machucando seriamente o tornozelo direito.

Alex já havia sofrido uma entorse há alguns dias, mas participou normalmente dos jogos contra o Grêmio e contra o Guarani. Porém, a inesperada lesão sofrida hoje pela manhã pode impedir sua presença no jogo contra o Furacão. Graças à inusitada contusão, Alex virou o centro das atenções da imprensa gaúcha, ávida para descobrir como se deu o episódio.

“Eu subi direto para o quarto para guardar minha bolsa. Eu estava com a bolsa na mão, mas a alça acabou enroscando no meu pé direito e como meu pé está um pouco fraco por causa da contusão no tornozelo, acabei ‘tropicando’ por sobre a bolsa e caí no chão. Eu estava sozinho no quarto, com a porta fechada e comecei a pedir ajuda, mas não tinha ninguém me ouvindo. Então, acabei tendo um entorse com a mesma intensidade da primeira vez. Acho que é a primeira vez que um jogador de futebol joga uma partida inteira normal e vai se contundir na hora de descansar, no quarto do hotel”, explicou ele em entrevista à Rádio Gaúcha.

Outros casos

O caso mais famoso de acidente doméstico de atleta de futebol aconteceu há dois anos, às vésperas da Copa do Mundo. O goleiro espanhol Santiago Cañizares, titular de sua seleção, deixou escapar um frasco de perfume no banheiro de sua casa. O vidro se espatifou no pé de Cañizares, que foi imediatamente cortado da convocação e ficou fora do Mundial.

No ano passado, houve outro caso estranho envolvendo um adversário do Atlético. O meia Dionísio, do Vitória, desfalcou sua equipe no confronto contra o Furacão porque comeu um acarajé que não lhe caiu bem. Com problemas gastrointestinais, acabou sendo cortado da delegação.

Colaboração: Alexandre Richter



Últimas Notícias

Opinião

Um Athletico! Uma vida!

E lá se vão 49 anos. Isso aí, 49! Ano do Furacão! E como vivi esse Athetico! E como estou vivendo, feliz e não menos…