7 ago 2004 - 17h49

Negociação encerra série de especulações

A negociação do atacante Ilan com o Sochaux encerra um longo de período de especulações acerca de sua transferência. A saída de Ilan é especulada desde a metade do ano passado, quando Ilan começou a se destacar com a camisa rubro-negra e foi convocado para a Seleção Brasileira por Carlos Alberto Parreira.

Em julho do ano passado, a imprensa inglesa noticiou o interesse do Arsenal na contratação de Ilan. Durante os meses seguintes, a Inglaterra parecia ser o destino mais provável do goleador. É interessante relembrar um trecho de uma reportagem da Furacao.com publicada em 8 de julho de 2003:

Essa será certamente a primeira notícia de muitas sobre uma possível transferência do atacante. A política da diretoria do Atlético é de não revelar os negócios até que sejam concretizados. Portanto, a Furacao.com divulgará apenas as informações fundadas em algum fato ou depoimento de fonte segura. As meras especulações da imprensa internacional e nacional não serão relatadas pelo site.

De fato, foi o que aconteceu. Durante um ano, a imprensa noticiou a venda de Ilan para times de Portugal, Itália e de outros países europeus. Algumas notícias foram divulgadas pela Furacao.com (veja relação abaixo), sempre após a devida apuração e com citação das fontes.

A transferência de Ilan começou a se tornar mais plausível em dezembro, quando ele viajou para a Itália a fim de obter a cidadania italiana. Com isso, abriram-se novas perspectivas no futebol europeu. Em junho deste ano, jornais portugueses divulgaram o interesse do Sporting no atleta.

Há um mês, representantes do Sochaux iniciaram um período de observações, que culminou com a contratação de Ilan anunciada oficialmente neste sábado. Antes disso, porém, alguns veículos chegaram a dar como certa a ida de Ilan para o modesto Messina, da Itália. A Furacao.com não divulgou essa notícia, veiculando tão somente o desmentido do clube, do atleta e de seu procurador.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…