8 ago 2004 - 19h16

No contra-ataque, Furacão mata o Vasco

No melhor estilo Furacão do contra-ataque, o Atlético derrotou o Vasco da Gama por 2 a 0 em jogo disputado na fria noite deste domingo na Arena da Baixada. Com o resultado, o Rubro-negro subiu para a quarta posição. Os três times que estão à sua frente têm apenas um ponto a mais (Santos, São Paulo e Ponte Preta).

O Atlético começou o jogo pressionando o Vasco. Nos primeiros cinco minutos, o time criou chances com Marcão, de falta e com Dagoberto, em contra-ataque. Aos 5, Dagoberto cruzou, Washington ajeitou e Alan Bahia mandou uma bomba ameaçando o gol de Fábio. A primeira chance do Vasco foi aos 8 minutos, com Petkovic.

Mas o talento atleticano apareceu aos 13 minutos. Washington disputou com um vascaíno na lateral e a bola espirrou para o centro da área. Jadson acreditou no lance, contou com a falha do zagueiro Daniel e tocou com categoria na saída de Fábio, marcando o primeiro gol atleticano, seu sétimo no Brasileirão.

Depois do gol, o Vasco foi obrigado a sair para o jogo. Era tudo o que o Atlético queria. O Furacão só aguardava os avanços vascaínos para sair em contra-ataque, sempre com os habilidosos Fernandinho, Jadson e Dagoberto. Aos 27, Fernandinho aproveitou cruzamento de Jadson e bateu forte, mas a bola desviou na zaga.

Mas a melhor chance foi aos 37 minutos. Washington recebeu lançamento em ótima posição, avançou livre em direção ao gol, mas acabou desarmado pelo goleiro vascaíno. Fábio conseguiu tocar na bola no último segundo possível para evitar a passagem do artilheiro atleticano.

O Vasco ainda tentou buscar o empate, mas ameaçou apenas em chutes de longa distância ou em bola parada. Todas as conclusões foram para fora do gol.

Segundo tempo: Dagoberto garante a vitória

O Vasco iniciou melhor o segundo tempo. Aos 4 minutos, Petkovic cobrou falta com perigo, mas Diego espalmou para o lado. O Atlético respondeu no minuto seguinte, com Dagoberto. Ele fez boa jogada individual pela esquerda e foi derrubado pelo zagueiro na área, mas o árbitro considerou que o choque foi casual.

Ainda no início da segunda etapa, Fernandinho e Pingo trocaram de posição por alguns momentos. O meia ficou mais livre para criar pelo meio do campo, ainda que avançando sobretudo pelo lado direito do campo. Aos 11 minutos, os dois tabelaram e Fernandinho chutou de fora da área, mas Fábio fez fácil defesa.

Aos 23, o Furacão teve ótima chance para marcar. Dagoberto cobrou falta da esquerda no segundo pau. Marcão cabeceou para o centro da área e Washington arrematou para o gol. Fábio deu um leve toque na bola, que bateu no travessão e não entrou por pouco. Alguns minutos mais tarde, Washington teve outra chance. Recebeu cruzamento da direita, matou no peito e girou, mas chutou sem direção.

O Vasco continuou com a iniciativa do jogo, mas sem criatividade e parando sempre na marcação do Atlético. O Rubro-negro aproveitava para sair nos contra-ataques depois de roubar a bola. Dagoberto foi a principal força ofensiva da equipe, sempre em jogadas individuais pelas pontas do campo.

Faltando dez minutos para o fim do jogo, o técnico Geninho fez duas mudanças no Vasco, colocando André Lima e Chiquinho. Aos 38, uma indecisão da zaga atleticana quase custou o gol de empate, mas Anderson não soube aproveitar a sobra e, no bate-rebate, a arbitragem marcou impedimento.

Assustado com a pressão do Vasco, o técnico Levir Culpi resolveu mexer no time e chamou William. Enquanto ele conversava com o meia, o Atlético tratou de tranqüilizar o treinador. Em um rápido contra-ataque, Washington pegou a bola no centro do campo e lançou Dagoberto. O atacante partiu em velocidade e esperou a saída do goleiro Fábio. Quando ele estava perto da marca do pênalti, Dagoberto bateu rasteiro, de fora da área, no canto direito do goleiro.

Na comemoração, ele foi abraçado por Washington e Jadson. Logo depois, William entrou no lugar de Jadson e Morais, no de Dagoberto. Os dois substitutos protagonizaram boa jogada aos 46 minutos, tabelando na entrada da área vascaína. No toque decisivo de William para Washington, a zaga conseguiu fazer o desarme.

No último minuto, Igor entrou no lugar de Rogério Corrêa, mas jogou apenas 20 segundos. Foi o tempo que levou para o árbitro Paulo César de Oliveira apitar o fim do jogo e decretar mais uma vitória atleticana.

22ª rodada – Brasileiro – (08/08/04) – Atlético 2 x 0 Vasco da Gama
L: Arena da Baixada; H: 18h; A: Paulo César de Oliveira (SP); CA: Diego (9′), Henrique (16′), Marcão (20′), Dagoberto (39′) e Claudemir (44′); P: 17.624; R: R$ 218.133,50; G: Jadson, aos 13 do 1°; Dagoberto, aos 42 do 2°.

ATLÉTICO: Diego; Fernandinho, Rogério Corrêa (Igor 90+3′), Fabiano, Marcão e Ivan; Alan Bahia, Pingo e Jadson (William 89′); Dagoberto (Morais 89′) e Washington. T: Levir Culpi.

VASCO DA GAMA: Fábio; Claudemir, Daniel, Henrique e Diego (Chiquinho 81′); Ygor, Silva (André Lima 81′), Coutinho e Petkovic; Anderson e Valdir. T: Geninho.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…