7 set 2004 - 17h48

Para Levir, Dagoberto cometeu erro ingênuo

O técnico Levir Culpi não gostou nem um pouco da atitude do atacante Dagoberto na partida contra o Guarani, na última quinta-feira. O jogador, que vem sendo um dos destaques do Atlético no Brasileirão, recebeu um cartão amarelo aos 36 minutos do primeiro tempo. Dagoberto havia sofrido falta, mas continuou reclamando da arbitragem mesmo após a marcação, motivo pelo qual foi advertido formalmente.

"Pelo que nós já passamos e pela capacidade do Dagoberto, foi um erro ingeênuo e grave. Isso não é normal de alguém inteligente e que quer vencer", reclamou Levir, que não poderá contar com o atacante para o jogo contra o Santos, nesta quarta-feira. Dagoberto já levou 6 cartões amarelos e 1 vermelho neste Brasileiro. É um dos mais advertidos de todo o elenco.

O treinador revelou que esse fato já havia sido tema de conversa e que o atacante ficou várias rodadas sem receber cartões, mas mesmo assim não conseguiu evitar de repetir o erro. "Eu não entendo como algo normal. Foi anormal. Nós tínhamos conversado e analisado a situação e justamente aconteceu o que tínhamos conversado. É um erro grave", afirmou o treinador, ressaltando que não costuma falar sobre esses assuntos publicamente, mas que o fato havia se tornado muito visível.

Culpi espera agora que Dagoberto possa ter aprendido mais uma lição para evitar reclamações exageradas no futuro. "Ele tem de crescer e procurar melhorar porque isso vai ser para sempre. Todo mundo vai querer marcar o Dagoberto e ele vai ter de controlar melhor essas situações. Ele tem muito a aprender e espero que ele tenha aprendido essa lição, pois foi visível o desequlíbrio emocional momentâneo que nos causou um prejuízo", observou o técnico atleticano.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…