29 set 2004 - 22h17

Enfim, só!

Apesar de não apresentar um futebol exuberante, o Atlético saiu da Bahia com os três pontos. Washington, duas vezes, e Fernandinho, garantiram o sucesso do Furacão sobre o Vitória. A derrota do Santos para o Internacional garantiu a liderança isolada do Campeonato Brasileiro.

O primeiro tempo não começou bem. Com o meio-campo sendo dominado pelo Vitória, o time baiano arriscou a primeira bola aos nove minutos. Obina chutou na trave. Três minutos depois, Dagoberto deu a resposta. Ele conseguiu se infiltrar na zaga adversária, chutou para trás, só que ninguém concluiu.

Depois que o árbitro Leonardo Gaciba começou a distribuir cartões (Pingo, Fernandinho, Milton do Ó e Alex Santos foram advertidos), a partida teve outro ritmo e as principais emoções ficaram para os quinze minutos finais. Washington recebeu livre na área mas chutou fraco, para fácil defesa de Juninho. Aos 34 minutos Edílson abriu o placar. Na falha de marcação da zaga do Atlético, o pequenino atacante baiano subiu sozinho para finalizar.

Com o gol, o Atlético despertou e foi para cima. Dagoberto foi derrubado na entdada da área e o árbitro gaúcho, Leonardo Gaciba, marcou pênalti. Washington cobrou no canto esquerdo de Juninho, que defendeu. O Atlético não desanimou e continuou em cima. Faltando um minuto para acabar o primeiro tempo, de novo Dagoberto foi derrubado na área. Desta vez Washington converteu.

Fortes emoções

No segundo tempo o Atlético começou mais atrás. O Vitória espremia o Furacão. Aos quatro minutos, Bruno Lança derrubou Edílson na "esquina" da grande área. Leonardo Gaciba, bem colocado, marcou o pênalti. O próprio artilheiro baiano bateu e a muralha atleticana, Diego, defendeu.

Foi o necessário para o Rubro-negro paranaense esquecer do jogo recuado e voltar a atacar. Aos dez minutos, Jadson cobrou uma falta com perfeição na cabeça de Fernandinho. Ele cabeceou no canto direito de Juninho que nada pôde fazer. Outras duas grandes chances com Jadson e Dagoberto foram criadas, mas os chutes saíram fracos, para desespero do técnico Levir Culpi. O Vitória recomeçou a gostar do jogo e empatou com Obina, numa boa jogada dentro da área do Furacão.

Depois disso a partida, assim como no jogo contra o Flamengo, voltou a ser um teste para cardíaco. Enquanto o Atlético abusava no direito de errar fáceis finalizações, o Vitória arriscava de longe. Faltando nove minutos para terminar o jogo, Washington disputou uma bola aérea dentro da área. Só que a zaga baiana agarrou o jogador pela cintura e uma nova penalidade foi marcada. Com personalidade, Washington fez o terceiro gol dele na partida e o 23º dele no Brasileirão, se isolando ainda mais na corrida pela artilharia do Campeonato.

Nos últimos minutos o Atlético ainda teve três chances de marcar o quarto gol e quase sofreu o empate numa cobrança de falta. A próxima partida do Atlético é no sábado, dia 30, na Arena da Baixada, contra o Atlético Mineiro. Nesta partida, os ingressos mais baratos já custarão R$20.

Saiba mais:
Análise do jogo, por Bruno Rolim

33ª rodada – Brasileiro – (29/09/04) – Vitória 2 x 3 Atlético
L: Barradão; H: 20h30; A: Leonardo Gaciba da Silva (RS); CA: Pingo (2′), Fernandinho (15′), Milton do Ó (17′), Alex Santos (20′), Tiago Matos (57′), Arivelton (80′) e Fabiano (89′); CV: Cléber (90+2′); P: 5.889; R: R$ 47.071,00; G: Edilson, aos 34, e Washington, aos 46 do 1°; Fernandinho, aos 10, Obina, aos 22, e Washington, aos 38 do 2°.

VITÓRIA: Juninho; Alex Santos, Milton do Ó, Felipe Saad e Paulo Rodrigues; Amaral (Tiago Matos 19′), Xavier, Arivelton (Gilmar 80′) e Cléber; Edilson (Allann Delon 67′) e Obina. T: Hélio dos Anjos.

ATLÉTICO: Diego; Fernandinho, Bruno Lança, Fabiano, Marcão e Ivan; Alan Bahia, Pingo (Raulen 84′) e Jadson (William 84′); Dagoberto e Washington. T: Levir Culpi.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…