23 out 2004 - 19h38

Adeus, invencibilidade

Fazia tempo que a torcida atleticana não sabia o que era perder. Foram quase três meses de bons jogos, vitórias, empates e a conquista da liderança do Campeonato Brasileiro. Neste sábado, a série invicta foi interrompida. Depois de dezoito jogos de invencibilidade, o Atlético perdeu para o Palmeiras por 3 a 1, de virada.

A derrota no campo foi o terceiro golpe que o clube sofreu nos últimos dias. O primeiro foi a séria contusão de Dagoberto, que não poderá mais jogar neste ano. Depois, o STJD impôs uma punição rigorosa: a perda de dois mandos de campo. Mesmo assim, jogadores e o técnico Levir Culpi declararam após o jogo que continuam otimistas e que esses três fatos negativos darão motivação para o time disputar as últimas partidas.

O Atlético começou bem o jogo, transmitindo confiança aos torcedores atleticanos, que compareceram em bom número ao Parque Antarctica. Aos 18 minutos, William invadiu a área pela direita e chutou para boa defesa do goleiro Sérgio. Cinco minutos depois, o Furacão abriu o marcador.

Marcão fez boa jogada pela ponta-esquerda, passou pela marcação e tocou para trás, nos pés de Denis Marques. O atacante ajeitou com um toque, driblou Nen com outro e bateu para o gol, sem chances para Sérgio.

O Palmeiras respondeu aos 31 minutos, com uma jogada aérea. Gabriel tocou de cabeça para o meio da área e o zagueiro Nen surgiu livre para concluir de carrinho. Diego fez uma defesa espetacular. Mas não houve tempo para comemorar. No minuto seguinte, houve um bate-rebate na área e o atacante Ricardinho chutou rasteiro no canto direito de Diego, empatando o jogo.

Empolgado, o Palmeiras partiu em busca da virada. Aos 35, Diego fez boa defesa em chute de Pedrinho. O Atlético quase fez o segundo depois que William passou pela marcação na ponta-direita e rolou para trás, mas Denis Marques isolou.

No final, o meia Pedrinho voltou a incomodar a defesa atleticana. Ele roubou uma bola de Marinho aos 43, mas chutou errado para fora. Dois minutos depois, Pedrinho fez boa jogada e tocou para Lúcio, que entrou na área e chutou forte. A bola foi no ângulo superior direito de Diego, que não conseguiu evitar o gol.

Tentativas frustradas

Se não conseguiu um bom resultado na primeira etapa, o segundo tempo foi ainda pior para o Atlético. Desordenado e sofrendo com más atuações de Jadson e Washington, suas principais armas ofensivas, o Rubro-negro pouco ameaçou o Palmeiras e, de quebra, ainda levou mais um gol em um contra-ataque.

Fugindo de seus procedimentos normais, o técnico Levir Culpi fez duas mudanças logo nos primeiros minutos da etapa final. Primeiro, sacou o constante Alan Bahia e colocou Raulen em seu lugar, passando Fernandinho para o meio-campo. Depois, tirou o zagueiro Fabiano para a entrada do volante Pingo.

Mas as mudanças não surtiram muitos efeitos. Os dois times criaram poucas chances. Tanto é que o primeiro chute atleticano aconteceu somente aos 20 minutos. Depois de jogada de Jadson e Denis Marques, Fernandinho bateu de fora da área, mas a bola passou por cima da trave.

Fernandinho teve outra oportunidade três minutos mais tarde, mas chutou novamente para fora. Aos 29, Marcão cruzou da esquerda, mas Washington foi agarrado por Gabriel dentro da área. O árbitro não marcou o pênalti, apesar da insistente reclamação do artilheiro do campeonato.

A ducha de água fria veio aos 37 minutos. Pedrinho puxou contra-ataque, lançou Lúcio na esquerda e apareceu na área para completar o cruzamento do lateral, marcando o terceiro gol palmeirense. O Atlético ainda tentou descontar, mas Washington cabeceou nas mãos de Sérgio aos 38 e depois cobrou falta na barreira.

37ª rodada – Brasileiro – (23/10/04) – Palmeiras 3 x 1 Atlético
L: Parque Antarctica; H: 18h; A: Lourival Dias Lima Filho (BA); CA: Daniel (30′), Diego (42′), Alan Bahia (44′), Pedrinho (55′), Marcinho (62′), Ronildo (67′), Pingo (68′), Corrêa (85′), Jadson (90+1′), ; P: 18.912; R: R$ 258.426,00; G: Denis Marques, aos 23, Ricardinho, aos 32, e Lúcio, aos 45 do 1°; Pedrinho, aos 37 do 2°.

PALMEIRAS: Sérgio; Nen, Daniel e Gabriel; Baiano, Marcinho, Magrão, Diego Souza (Corrêa 67′) e Lúcio (André Rocha 88′); Pedrinho e Ricardinho (Thiago Gentil 73′). T: Estevam Soares.

ATLÉTICO: Diego; Fernandinho, Marinho, Fabiano (Pingo 58′), Marcão e Ronildo (Igor 69′); Alan Bahia (Raulen 54′), William e Jadson; Denis Marques e Washington. T: Levir Culpi.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…