30 out 2004 - 21h58

O Coração Valente voltou a bater

Jogando contra o Internacional, em Goiânia, o Atlético finalmente voltou a vencer. A última vitória da equipe havia sido contra o Atlético Mineiro, no início do mês. Pouco mais de 1.500 pessoas estiveram no Serra Dourada para acompanhar a partida.

Com pouco público era possível ouvir o grito dos jogadores até mesmo pela transmissão de tv. A partida começou no mesmo ritmo da torcida, bastante monótono. No início as duas equipes apenas tocavam a bola para os lados e pouco agrediam o adversário.

E foi numa jogada com pouco perigo que surgiu o primeiro gol do Atlético. Aos 13 minutos Fernandinho foi aproveitar o rebote de uma jogada próximo à linha de fundo e acabou sendo derrubado por Galego. Washington bateu o pênalti no canto direito e abriu o placar para o Furacão.

Dez minutos depois, Denis Marques chegou a marcar mais um gol, mas ele estava em posição de impedimento e a jogada foi corretamente anulada. Em seguida, o Atlético começou a esperar o Inter em seu campo e tentava sair apenas nos contra-ataques.

Rogério Corrêa foi uma grande arma na armação das jogadas de contra-ataque. Com bastante disposição, o zagueiro voltou com tudo para o rubro-negro e deu bastante alegrias para a torcida e seus familiares, que estavam no estádio.

Numa das jogadas de Rogério, o zagueiro lançou Denis Marques pela esquerda. Com bastante velocidade o atacante cortou para dentro e chutou cruzado. A bola desviou no zagueiro e foi com tudo na trave.

Denis ainda voltou a perder outras grandes chances em contra-ataques, que poderiam dar mais segurança à equipe. Como diz o ditado – quem não faz, leva. Aos 45 minutos Fernandinho foi proteger o lance e acabou cometendo pênalti em Fernandão. Ele mesmo bateu e empatou a partida.

Reencontro com a vitória

Na segunda etapa, o time atleticano tinha de lutar com todas suas forças para conseguir a vitória e continuar lutando pelo título. Apesar de não jogar muito bem, a equipe teve algumas boas chances logo no início. Denis Marques ficou cara a cara com Clemer, mas tentou encobrir o goleiro e desperdiçou grande oportunidade.


Fernandinho sofreu um pênalti e cometeu outro (foto: Lance!)

Aos 14 minutos, Fabiano falhou na defesa e por Rodrigo Paixão teve tudo para virar o placar, mas o jovem atacante do Inter se precipitou e isolou a bola. Em dois lances bobos o Atlético ainda acabou perdendo dois zagueiros para a próxima rodada. Marcão e Marinho levaram o terceiro amarelo e não enfrentam o Fluminense.

As jogadas de perigo não surgiam e o gol atleticano saiu novamente num pênalti. Denis Marques invadiu a área e foi derrubado. Washington marcou o segundo do Furacão e seu vigésimo sétimo na competição. Agora o Coração Valente está a 4 gols do recorde do Campeonato Brasileiro, pertencente ao atacante Dimba.

Após o gol, a partida voltou a tornar-se monótona. Nem o Inter, tampouco o Atlético criaram boas jogadas que pudessem resultar em gols. Os gaúchos abusaram das jogadas aéreas, mas não obtiveram êxito e finalmente o rubro-negro voltou a encontrar a vitória.

Agora o Furacão volta a liderar a competição, ao lado do Santos, com 72 pontos, mas com uma vitória a menos. Na próxima rodada o Atlético vai ao Rio de Janeiro enfrentar o Fluminense, enquanto o peixe pega o Criciúma, em Santa Catarina.

39ª rodada – Brasileiro – (30/10/04) – Atlético 2 x 1 Internacional
L: Serra Dourada; H: 20h30; A: Luís Alberto Sardinha Bites (GO); CA: Bolívar (54′), Marcão (55′) e Marinho (61′); P: 1.677; R: R$ 16.642,50; G: Washington, aos 13, e Fernandão, aos 46 do 1°; Washington, aos 27 do 2°.

ATLÉTICO: Diego; Fernandinho, Marinho, Rogério Corrêa, Marcão e Ivan; Fabiano, Alan Bahia (Raulen 64′) e Jadson (Pingo 70′); Washington e Denis Marques (William 85′). T: Levir Culpi.

INTERNACIONAL: Clemer; Wilson, Herbella (Cleiton Xavier 81′) e Edinho; Bolívar, Wellington, Marabá, Fernandão e Galego; Rafael Sobis e Diego (Rodrigo Paulista 25′). T: Muricy Ramalho.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…

Fala, Atleticano

Foi épico

Assim, como o jogo de Santiago contra a Universidad Católica, estará para sempre na memória de qualquer atlheticano… O que aconteceu ontem na Bolívia, também..…