26 nov 2004 - 8h33

Clima de decisão

Páre por alguns segundos e medite: onde você estava no dia 3 de dezembro de 2001? Ou melhor, o que você estava pensando, qual era seu sentimento, sua emoção neste exato dia daquele ano? Terá sido parecido com o que você está sentindo hoje?

A data não lhe parece assim tão especial? Pois vamos lhe refrescar a memória. Em 3 de dezembro de 2001 faltavam apenas dois dias para o primeiro jogo do mata-mata do Brasileirão 2001. Dois dias depois, o Atlético receberia o São Paulo na Arena da Baixada, sonhando com algo até pouco tempo impensável: o título nacional.

Pode parecer estranho, mas hoje, 26 de novembro, é a data equivalente seste ano de 2004 àquele 3 de dezembro de 2001. Justamente hoje faltam dois dias para o Atlético começar uma nova trajetória que se pretende tão bem-sucedida quanto à de 2001. A fórmula do campeonato mudou e o time é substancialmente diferente, mas não importa.

Nos corações atleticanos, pulsa a mesma emoção de três anos atrás. Nos dois casos, faltavam apenas quatro jogos para o término da competição. De diferente, o fato de que neste ano cada jogo não será tão decisivo a ponto de eliminar um time ou outro. De igual, o fato de que cada vitória deixará o Atlético cada vez mais perto da taça.

Seriedade e decisões

Na frieza do regulamento, o campeonato por pontos corridos não tem final. Mas o coração atleticano desmente isso. Todos nós sabemos que cada jogo é uma disputa e que os quatro últimos serão ainda mais especiais. Nos próximos 25 dias, Curitiba, o Paraná e cada local do mundo onde houver um atleticano estarão diferentes. Mais alegres, mais coloridos de rubro-negro.

Assim como em 2001, o Atlético iniciará neste domingo uma série de quatro decisões. Grêmio, Vasco, São Caetano e Botafogo farão os papéis que já foram de São Paulo, Fluminens e São Caetano. Estamos prestes a viver momentos históricos. Assistir a jogos que ficarão para sempre gravados em nossas memórias, que serão transmitidos aos nossos filhos, netos e todas as posteriores gerações atleticanas.

Essa percepção não escapa aos jogadores. Todos estão embuídos no espírito rubro-negro, aquele que tem raça e não teme sequer a própria morte, quem dirá uma partida de futebol.

"Nosso foco está só no Grêmio", afirma o zagueiro Marinho. Sucinto, mas suficiente – aliás, como seu futebol, de resultado eficentíssimo.

"Este campeonato está sendo muito difícil. Temos de provar para nosso torcedor e para nós mesmos que podemos ser campeões", diz Diego, ainda mais motivado por poder voltar ao seu estado natal e fazer com que o Rio Grande do Sul também faça parte dessa bela história construída jogo a jogo nos últimos sete meses.

O técnico Levir Culpi já avisou: nada mais há a fazer, a não ser repetir o que já foi bem feito. "Nosso time já acertou os erros e agora só precisa colocar em prática durante a partida de domingo", explica o meia Jadson.

Todos são guerreiros, mas nesse time ninguém exprime melhor a emoção atleticana do que Washington, o artilheiro. Ele também está confiante: "O Grêmio vai querer sair para o jogo, porque eles precisam do resultado. Vai sobrar mais espaço para a nossa equipe, mas esse jogo será muito mais difícil do que o último. Temos de tomar muito cuidado".

Quanto a nós, torcedores, cabe-nos apenas um papel: apoiar o time, de todas as maneiras possíveis.

Colaboração: Patrícia Bahr, do conteúdo da Furacao.com



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…