21 dez 2004 - 22h43

Quem será o técnico?

Mesmo antes de se confirmar oficialmente a saída do técnico Levir Culpi, já começou a se especular sobre quem seria o novo treinador do Atlético. Quem teria a honra de comandar o Furacão na temporada 2005, que desponta como uma das mais promissoras da história do clube.

Para o próximo ano, o Furacão disputará o Campeonato Paranaense, a Libertadores da América e o Brasileiro. Não é segredo que a prioridade será o torneio sul-americano. Para isso, já foi elaborado um planejamento que prevê a divisão dos atletas em dois grupos. O primeiro trabalhará sob o comando do técnico Lio Evaristo e se dedicará ao Estadual.

O segundo contará com os jogadores considerados titulares e ficará a cargo do substituto de Levir Culpi. O perfil do novo técnico já foi definido pela diretoria. "Temos que contratar um profissional jovem, ambicioso, mas com experiência. Um treinador que tenha um projeto profissional compatível com o nosso", afirmou o presidente João Augusto Fleury.

A partir dessa descrição, a imprensa passou a citar diversos nomes em notícias sobre o assunto. Diante do que foi publicado, selecionamos nove nomes citados. São eles, pela ordem alfabética: Bonamigo, Celso Roth, Cuca, Geninho, Ivo Wortmann, Muricy Ramalho, Péricles Chamusca, Tite e Zetti.

Paulo Afonso Bonamigo dirigiu o Atlético-MG e o Botafogo no Campeonato Brasileiro. Segundo se comenta, é o nome preferido de Mario Celso Petraglia, mas encontra restrições em função da fama de retranqueiro. Além disso, praticamente renovou seu contrato com o Botafogo, o que diminui suas chances.

Celso Roth trabalhou no Goiás e deixou o clube logo após o fim do Brasileiro. Afirma ter recebido uma proposta da Arábia Saudita, o que também retira seu nome da lista dos mais cotados. Cuca treinou o São Paulo e o Grêmio e, de acordo com a Gazeta do Povo, assistiu ao último jogo do Atlético no Brasileiro na Arena. É um dos mais cotados.

Geninho é o técnico campeão brasileiro de 2001 e tem a seu favor o ótimo relacionamento com a torcida. Pesam contra a má campanha na Libertadores 2002 e o fato de ter recebido excelente proposta financeira de um clube saudita. Ivo Wortmann trabalhou no Juventude e tem uma proposta de um time japonês. Segundo dizem, também é visto com bons olhos por Petraglia, mas nesse momento não está entre os favoritos.

Muricy Ramalho dirigiu o São Caetano e o Inter e está sendo sondado também pelo Santos, que pode perder Luxemburgo. É outro nome da lista dos menos cotados. Péricles Chamusca foi campeão da Copa do Brasil com o Santo André e treinou o São Caetano. Da nova safra, é cotado por diversos clubes além do Atlético. Tite trabalhou no Corinthians e interessa também ao Santos e ao Grêmio. Contra sua contratação, pesa ainda o alto salário. Por fim, Zetti foi vice-campeão da Série B com o Fortaleza e quase acertou com o Atlético antes de Levir Culpi. Sua recusa naquele momento poe ter lhe fechado as portas do Atlético.

Avaliações

Todos os treinadores têm seus prós e contras. Os nomes dos nove técnicos citados acima foram submetidos aos colaboradores do site Furacao.com, que elegeram seus preferidos. Confira a opinião desses atleticanos sobre os cotados para assumir o cargo de técnico do Atlético em 2005:

PORQUE O TÉCNICO DEVE SER TITE
por Bruno Rolim

Em 2005, o Atlético terá pela frente uma Copa Libertadores da América, e para isso, um treinador de respeito seria fundamental. O nome de Adenor Bachi, o Tite, se enquadra no perfil de treinador desejado. Com apenas 43 anos, Tite já tem um currículo que inclui o título gaúcho de 2000 pelo Caxias, e o de 2001 pelo Grêmio – clube pelo qual sagrou-se campeão da Copa do Brasil no mesmo ano. Após uma passagem pelo São Caetano, Tite assumiu o comando do Corinthians, e conseguiu fazer com que uma equipe que era vista como uma das mais frágeis do Brasileiro conseguisse chegar na quinta posição no final do ano. Técnico de fala mansa, mas conhecido por ser um excelente motivador e amigo dos jogadores, Tite é da mesma escola de Luís Felipe Scolari, o Felipão. É considerado um bom nome para treinar jogadores jovens e promissores, o que vem ao encontro do Atlético, que possui nomes como Jadson, Fernandinho e Alan Bahia. Por estes motivos, creio que o técnico do Atlético para 2005 deveria ser Tite.

PORQUE O TÉCNICO DEVE SER GENINHO
por Patricia Bahr

Comandante da maior conquista do Furacão até hoje, Eugênio Machado Souto, o Geninho, sempre é lembrado com carinho pelos atleticanos. Afinal, para 2005, a torcida espera repetir a jornada de sucesso obtida em 2001. Adepto ao esquema 3-5-2 e fã incondicional do futebol ofensivo, Geninho traz consigo também a experiência de ter disputado a Libertadores em 2002 pelo próprio Atlético. Como treinador daquela campanha, sabe como ninguém em quais pontos o time errou, podendo elaborar um planejamento diferenciado para a principal competição do continente. Em 2003 retornou à Libertadores, comandando o Corinthians, sendo eliminado nas quartas-de-final pelo River Plate. No melhor estilo "amigão" dos jogadores, tem como característica saber trabalhar com grupos jovens e explorar os atletas vindos das categorias de base. Foi em terra paranaense que Geninho conseguiu seus melhores resultados como treinador. Com o time ns mãos e adotando o futebol ofensivo como principal característica, Geninho entrou no rol dos grandes técnicos do país com a conquista do Campeonato Brasileiro.

PORQUE O TÉCNICO DEVE SER CUCA
por Marçal Justen Neto

Creio que Cuca seria a melhor opção para comandar o Atlético em 2005. Creio que ele possui diversas qualidades. Para começar, tem raízes atleticanas – o que não é fundamental, mas ajuda. Além disso, possui um conhecimento extraordinário do mercado e da condição dos jogadores. É capaz de indicar ótimos reforços com risco baixo de erro. Além disso, entende muito da parte tática. Ao contrário do que alguns afirmam, não é um técnico retranqueiro. Monta suas equipes de acordo com as características dos jogadores. Gosta de estudar novas possibilidades e sabe colocar em prática seu conhecimento teórico. Por outro lado, é um sujeito muito trabalhador e que exige muita dedicação dos jogadores. Fez ótimos trabalhos no Paraná e no Goiás, no ano passado e foi destacado também em clubes menores. No São Paulo, soube enfrentar uma enorme pressão e chegou à semifinal da Libertadores da América. Ou seja, adquiriu a experiência necessária para trabalhar em grandes clubes. Creio que com a estrutura e as condições que o Atlético oferece, Cuca tem tudo para conquistar títulos em 2005.

PORQUE O TÉCNICO DEVE SER PÉRICLES CHAMUSCA
por Erick Raifur

Dos técnicos cogitados para dirigir o Atlético, Péricles Chamusca é um dos nomes que me agrada. Dos "disponíveis" no mercado, creio que o Tite seria a melhor opção. No entanto, ele está muito valorizado no mercado paulista, e a diretoria atleticana dificilmente entraria em "leilão". Voltemos ao Chamusca. Em 2002, ele soube armar uma equipe surpreendente que chegou às finais da Copa do Brasil, o Brasiliense. Com apenas 37 anos foi sondado para dirigir o Flamengo. Não aceitou o convite, preferindo ir treinar o São Caetano, o que demonstra ser consciente de que é muito melhor ter estrutura e salários em dia. Chamusca é um estudioso do futebol. Não se prende à velhas convenções e fórmulas manjadas. Procura se reciclar e aprender coisas novas. Passou cerca de um ano fazendo estágio no Barcelona, onde fez clínicas de especialização em futebol de campo com espaços curtos (congestionado). Também teve aulas com o gênio Johann Cruyff, sobre futebol veloz e ofensivo. No Brasiliense conseguiu aplicou na íntegra estes conhecimentos, devido ao jogo de toques rápidos e precisos que aquela equipe possuía, e que botou na roda o time do Corinthians. No São Caetano, teve uma fase atribulada no início, mas conseguiu dar padrão de jogo ao time, que passou a fazer excelente campanha, chegando a disputar o título durante algumas rodadas. É um bom técnico, na minha opinião. Ainda não é um Top5 no Brasil, mas ainda vai dar muito o que falar. Que venha para o Furacão, conquistar a América.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…