19 jan 2005 - 0h16

Um disciplinador otimista

Quando Vanderlei Luxemburgo foi apresentado à imprensa espanhola como novo técnico do Real Madrid, fez questão de demonstrar que possuía um projeto para comandar o clube, um dos mais poderosos do mundo. Quase um deconhecido na Espanha, Luxemburgo revelou suas credenciais para o cargo e afirmou que sua filosofia era sustentada por quatro pilares: união, disciplina, trabalho e profissionalismo.

Guardadas as devidas proporções (e feitas todas as ressalvas possíveis), Casemiro Mior sofreu a mesma espécie de pressão em sua apresentação como novo técnico do Atlético, nesta terça-feira, 18 de janeiro de 2005. Praticamente desconhecido em seu próprio país, Casemiro obrigou-se a valorizar seu currículo e apresentou um discurso no qual destacou a existência de um projeto para comandar o Atlético.

"Tem de haver otimismo, trabalho e resultados. O torcedor vai cobrar e tem de cobrar, mas seriedade, profissionalismo e lealdade não vão faltar. Por isso, o torcedor pode ficar tranqüilo", disse ele, tratando de transmitir confiança à torcida atleticana, desconfiada desde o anúncio de sua contratação.

Muito prazer, Casemiro!

Antes da coletiva, Casemiro Mior conversou por alguns minutos com os dirigentes Mario Celso Petraglia, João Augusto Fleury da Rocha, Antonio Carletto Sobrinho, Alberto Maculan e Antonio Carlos Gomes, além de seu futuro auxiliar-técnico Lio Evaristo e do novo preparador físico do clube, Valdemar Fernandes Jr.

Ouviu algumas informações sobre o método de trabalho dos atleticanos e sobre o dia-a-dia do clube. Antes mesmo de seguir para o CT do Caju, Mior havia passado pela Arena da Baixada, para conhecer seu futuro local de trabalho. Também já recebeu um relatório sobre os jogadores e o plantel que terá à disposição.

Escola gaúcha

Com quase uma hora e meia de atraso, a primeira entrevista coletiva de Casemiro Mior como técnico do Atlético revelou alguns traços de sua personalidade e de seu modo de comandar. De início, o mais evidente traço de Casemiro foi o otimismo. Empolgado pela oportunidade de trabalhar no Furacão ("o Atlético é um dos maiores clubes do Brasil"), o treinador prometeu muita dedicação para realizar uma campanha vitoriosa.

Apesar de ele não mencionar expressamente, ficou visível a influência da "escola gaúcha" no trabalho de Casemiro. Amigo de Felipão (o maior símbolo desse estilo de comandar) e contemporâneo de Paulo Bonamigo, de Mário Sérgio e de Emerson Leão, Mior deixou claro que preza pela seriedade e disciplina.

"Nós sabemos como funciona o futebol. Se existe disciplina, se a pessoa é profissional e sabe das regras, tudo tende a dar certo. Aqui ninguém ganha nada sozinho. Temos um elenco vice-campeão Brasileiro, um elenco de qualidade. Acima de tudo, eles têm de saber que é necessário profissionalismo para conquistarmos os títulos", avisou, convicto de que as vitórias só vêm a custo de muito sacrifício.

Isto é Casemiro

"Futebol a gente não pode perder tempo. Como nós temos um Paranaense e uma Libertadores, temos de acelerar para a equipe estar bem", explicando o porquê de unir os dois grupos de jogadores.

"Aonde passei sempre deixei as portas abertas e sempre fiz um bom trabalho. Tenho certeza que isso também acontecerá aqui no Atlético Paranaense", confiante num bom trabalho no Furacão.

"Nós disputamos a semifinal da Taça de Portugal, chegamos em quarto lugar com um clube que tem as dimensões diferentes das do Atlético. Deixei um clube e uma equipe montada. Essa é a experiência que eu trago para esse desafio aqui no Atlético. Isso não é tudo, mas temos de usar a experiência para que o Atlético seja vencedor", relatando seus feitos como treinador do Nacional da Ilha da Madeira.

"Tem de haver otimismo, trabalho e resultados. O torcedor vai cobrar e tem de cobrar, mas seriedade, profissionalismo e lealdade não vão faltar. Por isso, o torcedor pode ficar tranqüilo", revelando sua filosofia de trabalho.

"Eu não conheço o elenco bem. Mas conheço a estrutura da equipe, a maneira como a equipe vinha jogando. A equipe perdeu três peças importantes, mas não adianta lamentarmos. Temos de valorizar os que aqui estão. A equipe tem de começar a temporada bem e disputar todas as competições para ganhar", sobre seu conhecimento do plantel atleticano.


Confira o que a Furacao.com já publicou sobre Casemiro Mior:
18/01/2005 – Mior quer fazer um Atlético vencedor
18/01/2005 – Fernandes destaca existência de um só grupo
18/01/2005 – Decisão de permanecer em Curitiba foi de Mior
16/01/2005 – Torcida do Nacional agradece a Casemiro
16/01/2005 – Mior se despede com vitória sobre Sporting
13/01/2005 – Fórum: opine sobre Casemiro Mior
13/01/2005 – Casemiro treinará Nacional por mais um jogo
13/01/2005 – Para Mior, trabalhar no Atlético é um orgulho
13/01/2005 – Empresário de Mior é o ex-zagueiro Baidek
13/01/2005 – Casemiro foi referendado por Felipão
12/01/2005 – Como jogador, Mior ganhou a Libertadores
12/01/2005 – Atleticano de Portugal confia em Casemiro
12/01/2005 – Furacao.com adiantou: é Mior
12/01/2005 – Mior nega acerto com o Furacão
12/01/2005 – Jornal português divulga Casemiro no Atlético
11/01/2005 – Pode ser Mior



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…