7 mar 2005 - 22h27

Parabéns, Atleticanas!

Casemiro Mior, Mário Celso Petraglia, Diego, Denis Marques, Fernandinho, Bolinha. Esses nomes são bastante conhecidos dos torcedores atleticanos, acostumados a aplaudir ou até mesmo reclamar das atuações dessas pessoas, que trabalham no dia-a-dia para fazer um Atlético vencedor. Mas já diz a famosa frase, que por trás de todo grande homem, existe uma grande mulher. E por trás de todo grande clube, existem várias mulheres, que também suam a camisa para fazer o Rubro-negro brilhar nos gramados.

Em 2001, quando conquistou seu primeiro título nacional, o Atlético ficou conhecido pela beleza feminina nas arquibancadas da Arena. Mas dentro do clube, poucos conhecem as mulheres que transformam a rotina dos atletas. São telefonistas, cozinheiras, arrumadeiras que trabalham (e muito!) pelo sucesso. Algumas também têm participação no Conselho Deliberativo, no departamento de nutrição, na assessoria de imprensa e no marketing do Atlético. É a força feminina fazendo sucesso no Furacão.

Nutricionista

Há dez anos trabalhando no CT do Caju, a nutricionista Lili Purim é uma das companheiras do Atlético em seu crescimento. “Este ano completo 10 anos de Atlético Paranaense. Tenho nesse tempo acompanhado e participado do crescimento do clube, o que é para mim uma grande satisfação”. Trabalhando em um lugar onde a maioria é masculina, Lili garante que nunca sentiu preconceito por sua opção de trabalho. “Posso encarar como privilégio o fato de me sentir respeitada dentro de um ambiente predominantemente masculino e bastante preconceituoso”, afirma a nutricionista. Para ela, a busca pela excelência e pelo desenvolvimento do futebol no Atlético promovem o respeito profissional.

Lili garante que a presença feminina num ambiente como o futebol só traz benefícios aos atletas, principalmente na percepção. “A mulher tem um olhar mais aguçado para detalhes e busca fazer com que o ambiente seja agradável e acolhedor. Destaco, ainda, que para os atletas do amador que vem de regiões mais distantes, faz grande diferença o acompanhamento feminino”, diz.

A nutricionista também guarda lembranças dos atletas, mas uma em especial ela recorda com carinho. São muitas as lembranças daqueles que pudemos compartilhar e testemunhar crescimento pessoal e profissional. Uma situação que é engraçada é quando passo por corredores ouço muitas vezes os atletas dizerem com voz bem aguda "tô com fome…", lembra rindo.

Torcedoras ou profissionais, o certo é que essas mulheres são exemplos de amor e dedicação ao Atlético. Assim como os homens, elas vestem a camisa do Rubro-negro com orgulho e merecem a nossa homenagem neste dia 08 de março.

Reportagem: Julia Abdul-Hak e Patricia Bahr

Leia Também:
Homenagem de Marcel Ferreira da Costa



Últimas Notícias

Notícias

De novo a dupla Fla x Flu

Há jogos que mesmo não sendo decisivos acabam sendo marcantes. Lógico que uma final, uma partida que valha vaga para uma fase aguda de uma…

Notícias

Adeus, professor Vadão

Hoje (25) à tarde faleceu Oswaldo Alvarez, o Vadão, que estava internado tratando um câncer no fígado. A notícia vem logo após um domingo nostálgico…

Memória

2002 COM MUITA PAZ

Na tarde do dia 23 de Dezembro de 2001, o Furacão conquistava o seu primeiro título nacional! A partida final, em São Caetano do Sul,…