2 abr 2005 - 13h48

Dallas Cup: bate-papo com Kaio

O Atlético sagrou-se bicampeão da Dallas Cup no último domingo. Como muitos dos jogadores que conquistaram mais o título são desconhecidos do torcedor rubro-negro, a Furacao.com preparou uma série de perguntas para mostrar um pouco mais dos jovens talentos rubro-negros.

Desta vez, o entrevistado é o lateral Kaio, revelado nas categorias de base do rival Paraná Clube. Confira:


Nome: Kaio Felipe Gonçalves
Local de nascimento: Curitiba (PR)
Data de nascimento: 06/07/1987
Clubes em que jogou: Malutrom e Paraná Clube
Peso: 68 kg
Altura: 1,84m

Como você decidiu ser jogador de futebol?
Desde pequeno eu gostava de esportes e acho que tenho o dom para o futebol. É o esporte ao qual eu me dediquei mais e é isso que quero fazer para o resto da minha vida.

Como foi sua carreira até aqui?
Comecei a jogar com cinco anos nas escolinhas do Malutrom e tive uma passagem de quatro anos pelo Paraná Clube. No ano passado, disputei o Campeonato Juvenil, me destaquei e os olheiros do Atlético me chamaram. Cheguei aqui em fevereiro deste ano.

Teve algum fato ou momento de dificuldade na sua carreira? Algum momento pensou em desistir?
Não. Eu tive momentos de dificuldade, mas nunca pensei em desistir. Quando meu pai e minha mãe estavam desempregados, foram morar no Japão e eu e minha irmã ficamos sozinhos aqui em Curitiba, com a minha avó que não falava muito bem o português.

O que você faria se não fosse jogador de futebol?
Eu me dedicaria à Educação Física mesmo. Meu negócio não é ficar dentro de escritório, gosto de ficar ao ar livre.

Como é o apoio de sua família?
Eles me dão apoio total, não perdem um só jogo. Antes de viajar para Dallas ,estava todo mundo me abraçando, o apoio é de toda a família.

Qual foi o melhor momento na sua trajetória como jogador nas categorias de base do Atlético?
Todos os dias são meus melhores momentos. Aqui é um paraíso, acho que todos os atletas gostariam de estar aqui.

Como é o seu dia-a-dia no Atlético?
Acordo por volta das 7h30 e venho para o CT. Aqui eu tomo café, treino de manhã, almoço e treino à tarde. Depois do treino, vou para o colégio, onde estou fazendo o terceiro ano, porque pretendo fazer faculdade.

Qual jogador do elenco profissional do Atlético você mais admira?
Admiro muito o futebol do Fernandinho, por ser um garoto novo e ter esse destaque grande.

O que o Atlético oferece para os atletas de base?
É quase perto da perfeição. O grande destaque é que aproxima os atletas das categorias de base do profissional.

Qual a melhor e a pior coisa de ser jogador?
A melhor é a parte financeira e o reconhecimento mundial do seu trabalho. A pior é que você acaba abrindo mão de muitas coisas como festas e essas coisas, mas com certeza vale a pena.

Como você planeja seu futuro? Pretende se profissionalizar?
A única coisa que penso é em jogar no time profissional do Atlético.

Tem algum sonho?
Meu sonho era ser campeão em Dallas e agora, se possível, entrar no elenco profissional.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…