8 abr 2005 - 10h27

A lição dos mais experientes

O clássico das multidões. Não é à toa que Carneiro Neto e Vinícius Coelho definiram o principal jogo do futebol paranaense desta maneira. Afinal, o encontro entre Atlético e Coritiba mobiliza a cidade, o estado e várias partes do Brasil e até mesmo outros países. Pesquisa do Lance! aponta que são um milhão de atleticanos espalhados por diversos pontos do mundo e outros 400 mil coritibanos no planeta. Ou seja, são um 1 milhão e 400 mil pessoas ligadas em todas as emoções do jogo. O clássico dos clássicos do futebol paranaense. Que desta vez vale título, o título de Campeão Paranaense.

É a 12ª vez que o campeonato estadual é decidido pelo seu maior jogo. Até agora, em clássicos decisivos, o Atlético leva vantagem, vencendo seis vezes (1943, 1943, 1983, 1990, 1998 e 2000), contra cinco do rival (1941, 1968, 1972, 1978 e 2004). E para conquistar seu 21º título Estadual na história, o Atlético aposta em velhos ingredientes que, somados, podem sim fazer a diferença. "É o jogo da superação, da vontade, da raça", aposta o zagueiro Marcão.

Do atual elenco atleticano, apenas seis jogadores já atuaram em um Atletiba vestindo a camisa profissional do Rubro-negro: o goleiro Diego, o zagueiro Marcão, os volantes Cocito e Alan Bahia e os meias Fernandinho e Fabrício. O atacante Lima também já disputou o clássico, mas do outro lado. "É o grande jogo do futebol paranaense. Gosto de jogar e gosto mais quando saímos vitoriosos", define Diego.

Às vésperas do confronto decisivo, nada melhor do que seguir o conselho dos mais experientes. Jogadores que ajudaram a construir a história de 81 anos do clássico Atletiba, que protagonizaram grandes lances, belos gols, sensacionais defesas. E que, principalmente, colaboraram para escrever a história do clássico, símbolo maior do futebol paranaense. Em poucas palavras, alguns dos principais nomes da história atleticana tentam traduzir o que significa essa magia chamada Atletiba. Que a lição deles sirva de inspiração para os jogadores e a torcida atleticana, pois desta forma todos poderemos gritar, no dia 17 de abril, a deliciosa frase: "É campeão!!!".

"Eu não gostava de levar desaforo para casa. Queria vencer, sempre. E se descobria uma maneira de irritar o adversário e, assim, tirar proveito para o Atlético ganhar, usava. Ainda hoje o Atlético representa tudo para mim"Cireno, ex-atacante do Atlético, campeão paranaense em 1943, 1945 e 1949.

"Na minha despedida, nós ganhamos do Coritiba por 3 a 0, eu joguei com a número 10 e fiz uma partida realmente maravilhosa. Na hora que eu saí do jogo, faltando uns dez minutos para o fim, a torcida do Atlético ficou em pé, gritando para que eu ficasse. Ao mesmo tempo, eu podia ouvir a torcida do Coritiba nas cadeiras batendo palmas"Carlinhos, ex-ponta-direita do Atlético, campeão paranaense em 1988 e 1990.

"Maior alegria no Atlético é quando as coisas estão perdidas e você ganha, a alegria é maior, porque você não tem esperança na vitória. Foi em 90, o título de 90. Primeiro na quarta-feira, quando o Atlético ia perdendo de 1 a 0 e o Gilberto fez um sinal para o Dirceu e ele foi lá e empatou o jogo. Veio o segundo jogo, aquela linha de passes no gol do Berg. Para mim aquele foi o grande título estadual do Atlético. Pela surpresa, ninguém esperava"Augusto Mafuz, jornalista, referindo-se à final de 1990, quando o Atlético conquistou o título derrotando o Coritiba.

"Somos originais e criativos e fazemos um trabalho de apoio ao clube nos 90 minutos. No Rio de Janeiro e São Paulo as torcidas vão aos treinos, aos jogos, para bater nos jogadores. A gente cobra, mas com 99,9% de incentivo. Não tenho dúvidas de que somos os maiores e melhores do Paraná"Heriberto Ivan Machado, historiador, sobre a torcida atleticana.

"No primeiro jogo da final tomei uma garrafada no braço de um coxa-branca e acabei quebrando um osso. Eu continuei jogando, com braço quebrado e uma dor desgraçada. Mesmo assim nós empatamos a partida. Já no segundo jogo, eu continuei com o braço quebrado não queria falar para os médicos que estava doendo muito. O farmacêutico (Pushineker), engessou e me deu uma injeção para jogar e joguei até o fim. Eu não podia, porque se levasse uma bolada, matava. Mas no final, fui o melhor em campo"Lolô, ex-meia do Atlético, sobre o título paranaense de 1945, conquistado sobre o Coritiba.

"O que eu via eram carros com bandeiras na rua desfilando, pintavam o Homem Nu de rubro-negro. Não existia briga. Todo mundo que ia lá ver o jogo comprava o ingresso normalmente. Não tinha espaço separado. A própria torcida se separava. Hoje é uma guerra"Julio, ex-lateral-esquerda do Atlético, sobre os Atletibas da década de 70.

O Atletiba de 1945 foi um espetáculo circense. O Cireno tirou o gorro do goleiro dos coxas o Belo e mostrou a careca. O Belo correu atrás do Cireno, e ele, muito esperto, correu em direção ao juiz, parou perto dele. O Belo não se conteve e agrediu o Cireno. O juiz nem viu que ele estava com gorro porque ele tinha jogado no chão antes e o juiz expulsou o Belo. O Coritiba não se conformou com aquilo. O time saiu de campo e como não voltaram, o juiz encerrou a partida com vitória para nós." Jackson, um dos líderes do Furacão da década de 40.

*Observação: Todas as entrevistas foram feitas pelos integrantes da Furacao.com para o Hot Site dos 80 anos do Atlético.

Reportagem: Patricia Bahr, do conteúdo da Furacao.com



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Um novo Dagoberto

Pelo visto a negociação com Rony está tornando-se ou tornou-se um novo caso Dagoberto. As comparações são evidentes. Os casos são parecidos, devido à rejeição…