O Fala, Atleticano é um canal de manifestação da torcida do Atlético. Os textos abaixo publicados foram escritos por torcedores rubro-negros e não representam necessariamente a opinião dos responsáveis pelo site. Os autores se responsabilizam pelos textos por eles assinados. Para colaborar com um texto, clique aqui e siga as instruções. Confira abaixo os textos dos torcedores rubro-negros:
19 abr 2005 - 11h14

Vasos quebrados – diário de um faxineiro

A capacidade inigualável da diretoria do Coritiba em armar barracos e então se fazer de vítima, tomou o ápice das proporções ao fim do jogo disputado na tarde de domingo passado.

Inconformada com a derrota acachapante imposta pelo Clube Atlético Paranaense na final do campeonato estadual, a sórdida diretoria do clube verde teve uma brilhante idéia no vestiário:

– “Já que não dá pra estourar os champanhes falsificados que compramos do Paraguai, vamos estourar tudo o que vemos pela frente”. (sons onomatopéicos): Pow, soc, tum, crac… !!!!!

Resultado, não sobrou pedra sobre pedra, vaso sobre vaso, pia sobre pia, chuveiro sobre chuveiro…

A manhã de hoje, acredito, não foi nada fácil para os encarregados da faxina do Estádio Joaquim Américo.

Acostumado a abrir o vestiário e deparar-se apenas com algumas toalhas jogadas ao chão e pouco mais que quatro meias sujas esquecidas pelo time visitante após os jogos, o faxineiro do estádio, que preocupou-se ao máximo na noite anterior para entregar o local no maior capricho para a tarde de domingo, quase teve um colapso cardíaco ao abrir as portas do mesmo vestiário na manhã de segunda-feira. Parecia que um avião pilotado pelo Bim Ladem tinha caído ali dentro ! Havia caco de vidro espalhado por toda parte, privada arrebentada, cueca entupindo o ralo, sabonete com pentelho do Gionédis em cima da pia e até papel higiênico molhado colado no teto. Perplexo, porém sempre zeloso por seu trabalho, o competente faxineiro perguntou para si mesmo:

– Será que não havia água suficiente no vaso para afogar as mágoas dos derrotados atletas do Coritiba ? Será que o “pato velho” achou que a banheira estava pouco cheia para que ele pudesse nadar após o jogo ? Será que o champanhe azedou e provocou a ira da comissão técnica do Coritiba que estava contando com o “ovo no cu da galinha” ? Será que esqueci de alguma coisa quando preparei o vestiário na noite de sábado ou será que os Coxas esqueceram a educação em casa?

Pobre homem, não tinha nada a ver com essa balbúrdia toda, mas acabou tendo que limpar toda a bagunça.

Ao final de tudo isso, o faxineiro arregaçou ao mangas, colocou a casa em ordem novamente, estufou o peito, e como bom Atleticano que é proferiu a seguinte frase:

– “… E O PIOR DE TUDO, É QUE VASO RUIM NÃO QUEBRA”.

E VIVA O FAXINEIRO DA BAIXADA, que após o suado trabalho realizado no vestiário dos visitantes nesta segunda-feira, também pode ser considerado um dos heróis do título.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…