4 maio 2005 - 19h25

Rodriguinho está de volta ao elenco atleticano

O novo reforço do Atlético é um velho conhecido da torcida: o meia Rodriguinho, de 23 anos. Revelado nas categorias de base do Atlético, Rodrigo César Castro Cabral surgiu no time profissional na temporada de 2001. Apontado como o natural substituto de Kleberson, Rodriguinho demonstrou habilidade e disposição física e teve atuações marcantes, como a da goleada sobre o Flamengo por 4 a 0 no Brasileirão daquele ano. Admirado pelo técnico Mário Sérgio, que sempre fez questão de dizer que o meia era um craque de raro talento, Rodriguinho não conseguiu brilhar com a camisa atleticana. Apesar de ter recebido diversas chances no Furacão (disputou 78 partidas e marcou 9 gols), o meia se envolveu em diversas confusões e acabou perdendo espaço no clube.

Confusões

O primeiro incidente público envolvendo Rodriguinho aconteceu em janeiro de 2003. Em um jogo contra o Malutrom, no Couto Pereira, ele foi expulso de maneira inusitada. Aos 16 minutos do segundo tempo, percebendo que o treinador Heriberto da Cunha iria substituí-lo, o meia tirou a camisa ainda dentro de campo, gesticulou exageradamente e seguiu para o vestiário. Foi expulso pelo árbitro Maurício Batista dos Santos, que teve de mostrar o cartão vermelho para o capitão Cocito.

"É preciso existir respeito entre os companheiros. No futebol não basta entrar em campo e jogar bola. O jogador precisa saber se comportar, coisa que o Rodrigo não fez", comentou Heriberto na época, justificando o afastamento do atleta do grupo principal. Porém, o afastamento não durou muito e logo o próprio Heriberto foi demitido.

Um ano depois, o jogador se envolveu em um acidente de carro. Rodriguinho não sofreu qualquer ferimento, mas duas pessoas se machucaram na colisão ocorrida na Cidade Industrial de Curitiba. A pedido do técnico Mário Sérgio, o jogador foi desligado do elenco. "Senti muito em ter que tomar uma atitude como essa. Tentamos recuperá-lo muitas vezes, mas não bastou", afirmou Mário. Na ocasião, o treinador comentou que, em sua opinião, Rodriguinho não tinha mais condições de morar em Curitiba e que uma mudança de ares seria benéfica para sua carreira.

Nova fase

Dias depois da dispensa, Rodriguinho assinou contrato com a Portuguesa. Sua passagem pelo Canindé durou apenas dois meses e até receber uma proposta do Botafogo. Três meses depois, foi negociado com o Bahia. Disputou a Série B pelo Tricolor de Aço e, sob o comando de Vadão, fez uma bela campanha. O Bahia foi um dos finalistas da competição e por pouco não conseguiu o acesso à Série A.

Neste ano, diversos clubes já tentaram a contratação do meia. O próprio Bahia, o Náutico, o Guarani e a Ponte Preta fizeram propostas pelo jogador, mas o negócio não se concretizou.

Nesta quarta-feira, a direção atleticana anunciou oficialmente a reintegração de Rodriguinho. Ele já estava treinando no CT do Caju e, a partir de agora, passará a trabalhar juntamente com o grupo principal. Assim que estiver condicionado fisicamente, será liberado para ficar à disposição do técnico Edinho.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…