15 maio 2005 - 20h02

Borba Filho: "Merecíamos um resultado melhor"

Quarta derrota consecutiva e zero ponto. Esta é a atual situação do Atlético no Campeonato Brasileiro, após perder em casa para o Corinthians, pelo placar de 2 a 1. Para o técnico Borba Filho, a equipe merecia um resultado melhor por ter procurado mais a vitória e por ter melhores oportunidades de conquistá-la.

Na coletiva concedida à imprensa após a partida, Borba comentou a respeito da postura da torcida, da estréia de Cléo, da atuação de Lima e da próxima fase na Copa Libertadores da América, entre outras considerações.

Confira:

Resultado
“Apesar da qualidade do time do Corinthians, e não quero discutir o mérito do resultado, eu acho que pelo que o Atlético fez, principalmente depois que tomou os dois gols, o time poderia merecer um melhor resultado. A derrota foi doída pelo que o Atlético fez em todo o segundo tempo principalmente”.

O jogo
“O risco que nós corríamos era esse, pois o time não poderia jogar recuado porque o Corinthians tinha peças que poderiam resolver o jogo. Por isso, quando terminou o primeiro tempo, a nossa preocupação era fazer com que o time saísse pro jogo, e para não proporcionar a chance para que eles nos encurralassem. Isso foi batido e rebatido no intervalo. Agora, o Corinthians vocês viram, eles voltaram pro segundo tempo com mais um atacante e aquele vacilo proporcionou condições para que o time sofresse o gol de empate. Nos estávamos alertando de fora que um dos volantes precisava voltar e mudar um pouco o esquema tático do primeiro tempo. Colocamos o Alan marcando o Tevez para que pudéssemos ver se sobrava mais um zagueiro. Ora, se o Alan recuasse um pouco, um dos meias tinha que voltar, os que estavam mais ofensivos para aquele setor. Nesse meio tempo sofremos o primeiro gol e o impacto do segundo. Aí é que eu digo: o grande mérito do time do Atlético, dessa turma que foi pro campo no segundo tempo foi assimilar os dois golpes e ter tranqüilidade para buscar o gol de empate. Porque, pelo que lembro, o time do Atlético, para ser perfeito, só faltou o gol. Porque nós tentamos, balanceamos bem o jogo na esquerda e na direita, sem desespero, colocando a bola no chão conscientemente. Agora, tivemos uma bola que caprichosamente bateu na trave e também tivemos um árbitro que, num lance escandaloso, não viu um pênalti. O estádio inteiro viu que o jogador deles tocou propositadamente a mão dentro da grande área”.

Ambiente conturbado e torcida
“Desde há muito tempo na minha vida, seja qual for a atividade que eu esteja exercendo, eu não misturo as coisas. Me perdoem, não quero dar uma resposta malcriada, mas esse problema é de ordem administrativo, pura e simplesmente de ordem administrativo e não me cabe fazer comentários. O que eu lamento, de certa forma, é que a torcida nesse instante não tivesse captado que a necessidade do time em sair dessa situação depende muito do que ela faz. Vocês lembram que nessa semana eu fiz um apelo para a torcida e não foi demagógico. Porque eu sei da importância que a torcida tem em jogar junto com o time. E isso aconteceu no primeiro tempo principalmente, quando o time se encontrou e no segundo também, de certa forma. A torcida então soube corresponder aos anseios do time, mas poderia ter sido um pouco melhor. Creio que, se nós continuarmos fazendo apresentações com vontade, desprendimento e se pondo por inteiro como fizemos hoje, a torcida em qualquer circunstância vai voltar a nos apoiar”.

Estréia de Cléo
“Eu tenho por norma na minha vida profissional de nunca ter medo de lançar jogadores que estão fazendo parte do grupo. É verdade que, se nos tivéssemos ganhado o jogo ou pelo menos empatado, a atuação do Cléo teria que ser vista como eu vi. Um menino de 19 anos, o emocional do time que estava precisando da vitória, contra o Corinthians, primeiro ganhando de 1 a 0, depois perdendo por 2 a 1. Eu considero que o Cléo acabou se superando, porque no aspecto físico o jogador sente, e no psicológico há uma exigência maior. Pra mim, ele fez aquilo que outros jogadores mais famosos, badalados e experientes do que ele acabaram não conseguindo fazer. Eu vi ele lutando no campo desde o começo e não vi uma bola perdida dele”.

Lima no meio-campo
“Eu acho q ele fez aquilo que exatamente nós pedimos. Não só ele, mas o Fabrício também. Agora, é muito fácil fazer uma crítica e dizer que eu tirei um jogador que tava bem. Mas o Lima tinha um aspecto de cansaço aparente, porque ele correu muito, ele teve que fazer a chegada de trás com os dois companheiros da frente, e, ao mesmo tempo, não permitir que houvesse progressão do setor do meio-campo do Corinthians. E isso tudo para um jogador que estava mais habituado a jogar na frente. Sem querer contestar, mas eu gostei da atuação dele. Substitui porque achei que ele já tinha dado a sua parcela. E não creio, com sinceridade, que possa haver um questionamento na entrada do Evandro e do Rodrigo, que cumpriram os seus papéis na partida e foram responsáveis pelo volume de jogo do Atlético fosse maior no meio-campo”.

Libertadores: próxima fase
“Esse é um momento importante que nós não podemos errar. Se aconteceram erros anteriormente, eles não podem mais serem cometidos. Temos a possibilidade agora de inscrever até três jogadores nessa segunda parte. Então nós vamos fazer um estudo para que nós possamos colocar os jogadores que possam nos servir em várias circunstâncias. Eu digo no aspecto que esses jogadores podem até servir em mais de uma posição, porque a Libertadores exige isso. Como o nosso próximo jogo passou para quinta, o regulamento permite que a gente faça essa inscrição até 48h antes do jogo. Então nós temos hoje, segunda e terça para tomarmos as medidas necessárias com cuidado e compor o time até com mais qualidade do que a aquele que tivemos na primeira fase”.

Denis Marques e Aloísio
“Quanto a preocupação na utilização desses jogadores em razão das punições, nesse instante eu só posso responder no aspecto técnico. Eu não poderia fazer uma observação incluindo o aspecto jurídico da situação. Eu não sei por quanto tempo esse efeito suspensivo pode permanecer. Pode ser que isso expire depois que terminar a Libertadores. É um assunto a ser observado”.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…