19 maio 2005 - 1h07

Mauro Singer: "Podemos fazer o placar no grito"

Uma das personalidades mais conhecidas pelos atleticanos, o empresário Mauro Singer conversou com a Furacao.com para mandar a sua mensagem de incentivo à torcida e aos jogadores na partida de hoje contra o Cerro Porteño, pelas oitavas-de-final da Libertadores da América. Atual integrante do programa Esporte Show, do Canal 21, e proprietário de um restaurante no centro comercial da Kyocera Arena, Mauro Singer é figura respeitada por todos os segmentos da torcida atleticana. Confira o bate-papo:

Você lembra de outra ocasião onde o Atlético enfrentou uma crise como a que está passando atualmente?
Já vi muita crise maior que esta que o Atlético enfrenta no campo. É só lembrar quando a gente estava disputando o Torneio da Morte para não cair para a segunda divisão do Campeonato Paranaense. Ou seja, hoje reclamamos que não ganhamos há quatro jogos no Campeonato Brasileiro e fomos goleados na Libertadores, mas nós estamos lá! Antigamente nós tínhamos um clube sem dinheiro e sem qualquer identidade. Essa crise técnica que estamos atravessando é passageira. Se tem algum erro é essa briga dirigida à Fanáticos, cuja pressão faz falta, porque eles erguem o estádio inteiro. Não temos mais um caldeirão. A diretoria pode ter errado na contratação de jogadores e pode ter montado um time que não é competitivo, mas temos que analisar que os tempos mudaram. Os dois lados precisam ceder, pois é o Atlético o interesse de todos. Todos querem que essa crise acabe, mas alguém precisa querer isso, apesar das dificuldades e diferenças. Mas daqui a pouco tudo isso passa, a torcida vai voltar a apoiar, porque o contrário não é normal.

Qual a importância da presença e do apoio do torcedor hoje, nas arquibancadas?
Teremos hoje a chance de realizar algo que nunca conseguimos, que é passar para as quartas-de-final da Libertadores. Então o torcedor precisa ver que estamos num momento difícil, os jogadores foram mal contratados e que só dá para montar um time que vinga a cada três anos. A torcida não pode ficar mal acostumada. Veja bem, o Aloísio e o Maciel vieram machucados, o Denis agora está suspenso, o Dagoberto e o Fernandinho em fase de recuperação, então não podemos achar que todo ano seremos campeões porque não dá. É esperar para conseguirmos acertar! Se há crise em todos esses dez anos de administração de sucesso do Mário Celso Petraglia, ela vai passar logo. Os números do Atlético estão sempre no jornal, a administração é séria e ele sempre fez de tudo pelo clube. Só que desta vez não está conseguindo montar um time competitivo.

Qual recado você deixa para a torcida atleticana?
O torcedor precisa compreender que não estamos com um time dos nossos sonhos, ainda mais porque já tivemos time muito pior que o atual e torcemos como nunca. Hoje a hora é de torcer, incentivar e apoiar, pois podemos fazer nosso placar no grito.

Agradecimentos: Marlon Szaikowski, do Fanatismo



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…