25 maio 2005 - 21h55

Delegado volta com moral

Três semanas depois de deixar Curitiba, Antonio Lopes está de volta. E na apresentação oficial do novo treinador atleticano, a sensação de "estar em casa" era evidente. Se nas rodas de conversas entre os torcedores atleticanos o anúncio do novo técnico causou espanto e rejeição, na entrevista coletiva para a imprensa o clima era bem diferente, de muita tranqüilidade. Para João Augusto Fleury da Rocha – desta vez elegantemente trajando gravata rubro-negra -, o retorno de Lopes deve ser encarado de uma maneira normal, afinal enquanto esteve no clube, ele foi um excelente profissional. "Ele esteve aqui conosco trabalhando e foi o responsável pela organização de um grupo em 2000 que resultou em 2001 com a conquista do título de Campeão Brasileiro", explicou Fleury. No discurso do presidente atleticano, a esperança de que Lopes consiga repetir o bom trabalho feito naquela oportunidade.

De acordo com Antonio Lopes, sua postura frente ao Atlético será de muita disciplina, trabalho sério e responsabilidade. O treinador acabou explicando seu método de trabalho de vestir (literalmente) a camisa do clube que trabalha. Isso explica, também, seu comportamento enquanto esteve no Coritiba, num trabalho que durou um ano e quatro meses e que acabou no início do mês. Confira as principais declarações de Antonio Lopes na coletiva desta tarde na sala de imprensa da Kyocera Arena:

"Eu até guardo com muito orgulho a faixa de campeão brasileiro de 2001 que me foi dada pelo Petraglia, reconhecendo aquela contribuição. Sem ter participado diretamente na competição de 2001, nós contribuímos diretamente com o nosso trabalho um ano antes. Eu me considero também um campeão de 2001, não de direito, porque logicamente é o Geninho, mas me considero também um campeão de 2001 pelo Atlético pelo trabalho que nós fizemos e que foi reconhecido pelo Petraglia."
(Antonio Lopes, sobre sua primeira passagem no Atlético e a formação do grupo Campeão Brasileiro de 2001)

"Não tem nada a ver, ele é um profissional também, ele é meu filho mas em se tratando de futebol ele vai ser um inimigo, ele lá e eu cá."
(Antonio Lopes, sobre o fato de seu filho Antonio Lopes Júnior estar trabalhando no Coritiba)

"Já tenho em mente a equipe que devo lançar domingo. Contra o Cerro, estarei como um assistente, um espectador, observando para começar o nosso trabalho de preparação para o jogo de domingo, contra o Botafogo, lá no Rio de Janeiro."
(Antonio Lopes, sobre sua estréia no comando do Furacão)

"Eu já esperava essa rejeição. Mas com trabalho, tenho certeza que vou ajudar a reverter essa situação no Atlético e colocar o clube no lugar que ele merece, daí vai mudar rapidamente o pensamento do torcedor."
(Antonio Lopes, sobre a rejeição da torcida atleticana pela sua escolha para comandar o time)

"A gente sabe que essa torcida é boa, essa torcida apóia mesmo, essa torcida empurra o time pra frente, ajuda a ganhar o jogo sem dúvida nenhuma. Então vamos precisar desse apoio, vai ser bom para o time que ela se porte dessa maneira e teu tenho certeza que vai se portar."
(Antonio Lopes, pedindo o incentivo da torcida)

"O Atlético não pode ficar por muito tempo nessa situação, já se passaram cinco rodadas, o Atlético não conseguiu nenhum ponto. Então já há essa necessidade de já no domingo começar essa recuperação para tirar o time do Atlético da zona do rebaixamento."
(Antonio Lopes, sobre a situação atual do time no Brasileiro)

"Nós temos conversado e não há o que falar de contratação. Estamos deixando a diretoria tranqüila para trabalhar. A diretoria sabe que precisa de contratação e está fazendo todos os esforços para atender uma pretensão que não era só minha, já era dos antecessores."
(Antonio Lopes, evitando tecer comentários sobre a necessidade de reforços)

"A comissão técnica vai permanecer. Eu já conheço a maioria dos componentes da comissão, o caráter de cada um, a competência de cada um. São rapazes competentes, rapazes em quem eu confio."
(Antonio Lopes, confirmando que manterá a composição da comissão técnica)

"Não estabeleci um prazo. Nem eu, nem o presidente Fleury, nem o Petraglia. Ainda não conversamos sobre a duração do contrato porque não deu tempo. Mas a intenção é de fazer um trabalho de longa duração, com a permanência da comissão técnica, que é o trabalho que todo mundo está buscando porque é o que surte mais efeito."
(Antonio Lopes, revelando que não estipulou prazo contratual)

"Eu não conheço o problema, não sei se houve indisciplina. A disciplina tem que haver em qualquer setor de trabalho. Sem disciplina, nenhum profissional consegue nada, o trabalho não vai ter produtividade nenhuma."
(Antonio Lopes, sobre o incidente com o atacante Maciel e seu método de trabalho)

"O Borba Filho vai continuar exercendo a mesma função dentro da comissão técnica. É um profissional competente, inteligente e que vai ajudar muito com sua permanência. Agora, o Lio já não está dentro da nossa comissão técnica. Já conversamos com a nossa diretoria hoje pela manhã no CT, falamos da composição da comissão e o Lio está fora."
(Antonio Lopes, garantindo a permanência de Borba Filho e descartando o aproveitamento de Lio Evaristo)



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…