31 maio 2005 - 15h54

A história é contada pelos vencedores

É verdade que o momento do Atlético no Brasileirão é delicado. O time não tem se saído bem, e os jogadores não vêm mostrando a qualidade desejada pelos torcedores. Por sua vez, o adversário da próxima partida, o Santos, está entre os líderes do campeonato nacional, além de contar com o futebol do festejado Robinho, o grande craque em atividade no Brasil, indiscutivelmente. Mas nem isso é motivo para desanimar. Não, mesmo. Se você não acredita que o Atlético pode passar pelo Santos rumo às semifinais da Libertadores, vamos voltar um pouco no tempo, até 1996. Há nove anos atrás, no dia 5 de março de 1996, a Baixada era o palco de Atlético x Santos, pela primeira rodada da Copa do Brasil – na fase eliminatória, o Furacão já havia eliminado o Ji-Paraná.

De um lado, o Atlético, que não disputava a Série A desde 1993. Os laterais do Furacão eram medíocres: Pavão e Elias. Outros jogadores tinham pouca expressão, como Sidcley, Everaldo, Jean Carlo e Alex Lopes. Oséas, Paulo Rink e Ricardo Pinto eram ídolos dos atleticanos, mas ninguém sabia como seriam seus desempenhos em partidas contra os então "grandes" do futebol nacional. Do outro lado, o Santos, vice-campeão brasileiro em 1995, tinha o grande jogador em atividade no Brasil: Giovanni. Os demais jogadores também eram consagrados. No gol, Edinho, o "filho do Rei (Pelé)". O meio tinha Gallo, atual técnico do alvinegro praiano, além dos habilidosos Vagner e Robert. Macedo era o parceiro de Giovanni no ataque, que ainda tinha Marcelo Passos como opção.

Convenhamos. O Santos era franco favorito para avançar na competição. Pouca gente esperava que aquele Atlético que acabara (1995) de garantir a volta à Primeira Divisão pudesse desbancar o consagrado Santos de Giovanni, que naquela época era tão badalado quanto Robinho é hoje. Mas a história dentro de campo foi diferente. Havia uma torcida apaixonada. Havia um Caldeirão a ferver.

O que se viu foi um estádio totalmente lotado de torcedores apaixonados, dispostos a mudar o rumo da partida. Os mais de vinte mil rubro-negros que estiveram na antiga Baixada não pouparam a garganta e gritaram o jogo inteiro. Muito antes de o árbitro apitar, a torcida já ensaiava seus cantos. E quando a bola rolou, os gritos não pararam um minuto.

Uh, Caldeirão!

Embalados por esta força, os jogadores do Atlético acreditaram na vitória e partiram para cima. Logo aos 17 minutos de jogo, o zagueiro Andrei cruzou na área, Edinho rebateu e Oséas apareceu para marcar o primeiro gol atleticano. O êxtase percorreu as arquibancadas. O Atlético dava as cartas em campo, e, depois de garantir o resultado no primeiro tempo, voltou na etapa complementar para decidir o jogo. Aos 8 minutos, Jean Carlo cobrou escanteio e Paulo Rink subiu mais do que todo mundo, cabeceando para o fundo da rede. Mais uma explosão da torcida.

O badalado Giovanni simplesmente não conseguiu jogar. Sidcley, o desconhecido irmão de Jean Carlo, exercia uma marcação implacável sobre o meia santista, que, de tão irritado, chegou a agredir o marcador atleticano e recebeu cartão vermelho. Os torcedores continuaram regendo a festa e empurrando o Atlético, que não se deu por satisfeito: aos 27 minutos, Oséas recebeu pela direita e bateu cruzado, vencendo mais uma vez o goleiro santista e dando números finais a este confronto histórico na Baixada. O Santos só percebeu o que estava acontecendo quando o jogo acabou: 3 a 0 para o Atlético, para delírio da torcida. Na partida de volta, bastou ao Atlético administrar o resultado e sair em contra-ataques. Em um deles, Paulo Rink marcou um gol de placa, e o resultado final de 1 a 1 garantiu a classificação ao Atlético. Sim, o Atlético eliminava o poderoso Santos.

Nesta quarta-feira, o Atlético volta a disputar um jogo histórico na Baixada. Não mais uma primeira fase de Copa do Brasil, mas quartas-de-final do campeonato mais importante do continente. Crescemos, e muito. Mas o time precisa, como sempre, do apoio da torcida. É com este espírito, de apoiar o time e acreditar em mais uma vitória, que todo torcedor deve ir à Kyocera Arena.

Copa do Brasil – Primeira rodada – (05/03/96) – Atlético 3 x 0 Santos
L: Baixada; A: Jorge Travassos (RJ); CA: Gallo, Luís Eduardo, Luiz Carlos e Clóvis; CV: Giovanni; P: 16.702; R: R$ 159.274,00; G: Oséas, aos 17 do 1°; Paulo Rink, aos 8, e Oséas, aos 27 do 2°.

ATLÉTICO: Ricardo Pinto; Pavão, Luís Eduardo, Andrei e Elias; Alex, Sidcley (Everaldo), Jean Carlo e Luiz Carlos (Matosas); Oséas e Paulo Rink. T: Emerson Leão.

SANTOS: Edinho; Cláudio, Ronaldo (Cerezo), Sandro e Marcos Adriano; Gallo, Vagner (Batista), Robert e Giovanni; Macedo (Marcelo Passos) e Clóvis. T: Candinho.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…