1 jun 2005 - 21h54

A paixão e a raça entraram em campo

A torcida do Atlético voltou aos velhos tempos na noite de quarta-feira. A vitória por 3 a 2 contra o Santos reacendeu a paixão que andava um pouco abalada após a última colocação no Campeonato Brasileiro. Com 10 jogadores em campo desde os 27 minutos do primeiro tempo e sendo constantemente prejudicado pelo trio de arbitragem, o Furacão do técnico Antonio Lopes foi valente e superou o atual Campeão Brasileiro na primeira partida das quartas-de-final da Copa Libertadores. Com o resultado o Atlético leva para Santos a vantagem do empate. O próximo jogo vai ser na quarta-feira, dia 15.

Quem esperava um time defensivo, surpreendeu-se com a escalação do Atlético. Apesar de jogar com três zagueiros (Marcão, Durval e Danilo) e dois volantes (Cocito e Alan Bahia), o técnico Antonio Lopes armou o Rubro-negro marcando por setor e não na individualidade. A única ressalva ficou com Cocito, que não largou Robinho. No meio-campo, as novidades foram Leandro e Evandro, que abasteciam Lima e Aloísio.

A primeira chance de perigo aconteceu aos dois minutos. Aloísio fez boa jogada e acertou o travessão de Henao. A resposta santista veio logo em seguida. Zé Elias lançou Ricardinho na área. A zaga bobeou e Ricardinho fez 1 a 0. Sem se abater e empurrado por 22 mil torcedores, o Atlético foi para cima buscando o empate. Numa boa jogada de Jancarlos pela direita, Evandro aproveitou o cruzamento e, de cabeça, marcou o primeiro do Furacão.

Só que aos 27 minutos a influência da arbitragem começou a fazer efeito. Alan Bahia cometeu falta em Robinho e foi expulso por Wilson de Souza Mendonça. Mesmo com um a menos foi o Atlético quem continuou pressionando. André Rocha, que acabara de entrar no lugar de Leandro, bateu uma falta em cima de Henao. O goleiro não segurou e Marcão pegou o rebote: 2 a 1. A torcida atleticana vibrou por apenas dois minutos. No lance de maior reclamação do jogo, Robinho recebeu e escorou para Deivid, em posição duvidosa, empatar a partida. Apesar das reclamações dos jogadores e da comissão técnica, o gol foi validado.

O Atlético voltou com a mesma formação no segundo tempo e soube explorar, com inteligência, os contra-ataques. Enquanto isso o Santos tentava pelo meio, mas a dura marcação de Cocito impedia as avançadas de Robinho. Restando vinte minutos para o fim do jogo, André Rocha e Evandro fizeram boa jogada pela direita. A bola cruzada achou os pés de Lima, que marcou o terceiro do Furacão na noite de quarta-feira.

O Santos ainda foi para cima e quase levou o quarto gol no fim da partida. Só que Cléo e Fabrício, que entraram restando poucos minutos, não tiveram êxito nas finalizações.

%ficha=426%

Melhores momentos do primeiro tempo

2 min – Aloísio, da entrtada da área, mandou um petardo que Henao defendeu e a bola explodiu no travessão.
12 min – Ricardinho recebeu o passe de Zé Elias, dominou a bola e tocou para o fundo das redes de Diego.
14 min – Lima chutou da entrada da área e Henao fez a dedfesa em dois tempos.
24 min – Aloísio cabeceou e Henao fez a defesa. No rebote, a zaga do Peixe tirou o perigo dali.
25 min – No cruzamento de Jancarlos, o meia Evandro subiu mais que a zaga e empatou.
26 min – Alan Bahia foi expulso. Ele parou Robinho com falta e como já tinha amarelo, tomou o vermelho.
40 min – Marcão vira o jogo. Numa falha de Henao, a bola sobrou limpa para o zagueiro encher o pé.
43 min – Numa jogada rápida do ataque do Santos, Robinho dominou e tocou para Deivid, impedido, igualar o marcador.
46 min – Fim do primeiro tempo.

Melhores momentos do segundo tempo

2 min – Tcheco cobrou com uma falta com perigo.
19 min – Deivid chutou da entrada da área. A bola foi muito fraca.
25 min – Numa boa jogada do ataque atleticano, André Rocha tocou na medida para Lima mandar para o fundo das redes.
33 min – Basílio chutou cruzado com muito perigo. A bola passou por todo mundo e ninguém aproveitou.
34 min – Robinho pedeu um chance incrível. Debaixo das traves ele chutou por cima do gol.
38 min – Lima chutou da entrada da área e Henao fez a defesa.
46 min – Bóvio bateu de longe e Diego fez a defesa.
49 min – Fim da partida.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…