1 jun 2005 - 10h34

Quando a raça entra em campo

Ganhar do Santos de Robinho é o principal objetivo de um milhão de atleticanos nesta quarta-feira à noite. Há 37 anos, o sonho da torcida atleticana era derrotar o Santos de Pelé. E essa oportunidade aconteceu no dia 8 de setembro de 1968, quando Atlético e Santos se enfrentaram na Vila Capanema, pela Taça Roberto Gomes Pedrosa (o equivalente ao atual Campeonato Brasileiro).

A vitória, classificada pela imprensa da época como "de lavar a alma", não teve o principal personagem. Vetado pelo departamento médico na véspera do confronto, Pelé não participou do jogo. Nem isso foi capaz de tirar o brilho do triunfo atleticano por 3 a 2. "Não se pode aceitar como válida a tese de que o Santos sem Pelé não é o mesmo Santos. Talvez toda a sua gama extraordinária de um gênio do futebol permita que ele traga a intranqüilidade ao time oponente. Mas, também não é menos verdade que o quadro santista possui astros de grande gabarito", definiu o jornal Gazeta do Povo após o confronto.

E não é para menos. Na equipe santista desfilavam astros como Carlos Alberto Torres, Clodoaldo, Pepe e Edu, todos com passagem pela Seleção Brasileira. Naquele ano, o Santos conquistaria o título do Robertão com uma campanha de 19 jogos, 12 vitórias, 4 empates e apenas 3 derrotas. Uma delas foi justamente diante do Furacão, naquele jogo.

Para superar o adversário, o Rubro-negro usou de uma arma que é típica de sua essência. Nem o Santos esperava, mas encontrou um Atlético vibrante, inspirado e consciente de que poderia jogar o futebol que o colocou entre as grandes equipes do futebol brasileiro. Além disso, o time contou com o apoio de 20 mil torcedores fanáticos. Foi o que incentivou o Rubro-negro a vencer pelo placar de 3 a 2 naquele ano. É o que a torcida atleticana espera para esta noite na Kyocera Arena, para que novamente o Furacão impressione o Brasil todo com seu futebol alegre, guerreiro e objetivo.

Vitória histórica

A Vila Capanema recebeu mais de 19 mil pagantes para aquela tarde de domingo, dia 8 de setembro de 1968. Muitos dos presentes estavam entusiasmados com o time "de Pelé e sua gente". Mas, durante os 90 minutos da partida, foi outro Santos, Djalma Santos, que comandou a brilhante vitória atleticana.

O time paulista começou melhor o jogo, levando vantagem com o constante apoio de seus laterais. Aos 15 minutos, numa boa movimentação do ataque santista, Clodoaldo tocou para Negreiros, que arrematou forte. O goleiro Célio fez a defesa parcial, mas, no rebote, Toninho chutou para abrir o marcador para os visitantes.

Ainda na etapa inicial, Nilson Borges encostou mais em Nilo e Paulista, com boas triangulações que levaram o Rubro-negro a provocar dificuldades ao meio-campo santista. Aos 33 minutos, o empate atleticano. Djalma Santos fez boa jogada na direita e cruzou. Ramos Delgado não conseguiu cortar e Zé Roberto cabeceou de cima para baixo, indefensável para o goleiro Cláudio.

Foram nos 20 minutos iniciais do segundo tempo que o Atlético foi arrasador. Praticando um futebol insinuante, prático e objetivo, o time foi envolvendo o até então todo-poderoso Santos. Aos 4 minutos da etapa final, Nilson fugiu pela esquerda e cruzou rasteiro. Cláudio não conseguiu tirar a bola, que sobrou para Gildo. Ele emendou no canto direito, promovendo a virada do Furacão. Doze minutos depois, o lance mais bonito do jogo. Madureira driblou seguidamente Ramos Delgado, Joel, Clodoaldo e Cláudio e, num giro de corpo espetacular, venceu mais uma vez a meta santista, fazendo um golaço que determinava 3 a 1 no placar.

Aos 42 minutos, o Santos ainda diminuiu, com Edu recebendo a bola de Clodoaldo e tocando na saída do goleiro Célio. Mas era pouco. A vitória era atleticana, provando que já naquela época o Rubro-negro usava suas principais forças para superar os adversários: a raça e o espírito atleticanista.

Taça Roberto Gomes Pedrosa – (08/09/68) – Atlético 3 x 2 Santos
L: Vila Capanema; A: Arnaldo César Coelho; P: 19.638; R: NCr$ 99.810,00; G: Toninho, aos 15, e Zé Roberto, aos 33 do 1°; Gildo, aos 4, Madureira, aos 16, e Edu, aos 42 do 2°.

ATLÉTICO: Célio; Djalma Santos, Bellini (Vilmar), Charrão e Nilo; Nair e Paulista; Gildo, Zé Roberto, Madureira e Nilson Borges.

SANTOS: Cláudio; Carlos Alberto, Ramos Delgado, Joel e Rildo; Negreiros e Clodoaldo; Edu, Toninho, Douglas (Marçal) e Pepe.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…