13 jun 2005 - 22h39

Um dia de rei

Cejas; Carlos Alberto, Ramos Delgado, Marçal e Rildo; Clodoaldo e Nenê; Davi, Douglas, Pelé e Abel. Sem dúvidas, quem viu essa escalação em 28 de outubro de 1970 imaginaria que o Santos não teria muitas dificuldades para vencer o Atlético, pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa. Afinal, a equipe paulista era um time recheado por atletas que haviam conquistado há pouco o tricampeonato mundial pela Seleção Brasileira, quase imbatível. Quase. Porque naquela noite de quarta-feira, o Rubro-negro aliou garra e aplicação tática para superar o todo-poderoso Santos, do Capitão do Tri Carlos Alberto, do eficiente Clodoaldo e do Rei Pelé. Os dias que antecederam ao confronto foram cercados de expectativa. Curitiba parou para ver o Rei do Futebol desfilar. O jogo, evidentemente, era rotulado como "Atlético contra Pelé e cia". O público no Estádio Belfort Duarte foi surpreendente, com uma arrecadação recorde até então de Cr$ 143.800,00. E se a maioria dos presentes foram ao estádio para ver Pelé, saíram de lá aplaudindo a atuação do goleiro Wanderley, que recebeu inclusive elogios do atacante santista após o jogo. Sim, Wanderley foi uma verdadeira muralha. O outro herói da noite foi Dorval, autor do único gol do jogo.

Raça e determinação

"A grande vitória – jogando com muita garra e com um sistema defensivo rígido, a representação do Atlético Paranaense conseguiu ontem à noite, no Belfort Duarte, uma grande vitória contra o Santos, pela contagem mínima". Foi dessa maneira que o jornal Gazeta do Povo resumiu o triunfo atleticano no dia seguinte à vitória do Rubro-negro por 1 a 0.

O nome do perigo, todos os atleticanos sabiam de cor. E para não deixar Pelé jogar, o Atlético entrou em campo com um bloqueio bem armado. Nair tinha a função de fazer o primeiro combate e Gibi ficava na sobra. Além da segurança na defesa, o Atlético contava com a boa sintonia entre a zaga e o meio-campo. Foi essa a fórmula encontrada pelo Furacão para conseguir a vitória.

O Atlético iniciou o jogo de forma decisiva. Logo no primeiro minuto de jogo, Liminha perdeu um gol na cara do goleiro Cejas. Aos 11 minutos, o Atlético conseguiu o que tanto queria: Dorval fez boa jogada pela ponta e tocou para Sicupira, na entrada da área. Ramos Delgado tentou cortar levantando demais o pé. O árbitro Arnaldo César Coelho marcou o jogo perigoso. Sérgio Lopes cobrou curto para Dorval, que atirou de primeira e rasteiro. A bola desviou na barreira e enganou o goleiro santista, entrando no canto esquerdo – 1 a 0 Atlético.

No restante da partida, o Atlético teve ainda outras quatro boas chances de marcar o segundo. No mais, o domínio da bola era totalmente do time visitante, que tentou de todas as maneiras chegar ao gol. O que o Santos não esperava era uma barreira humana tão eficiente. Quando não era a zaga que cortava, era o goleiro Wanderley que praticava excelentes defesas. Com tenacidade, eficiência e boa cadência, o Atlético não deu chances ao Santos sequer de conseguir o empate.

E quando o árbitro Arnaldo César Coelho apitou o fim do jogo, o que parecia difícil aconteceu. Sim, o Atlético venceu o todo-poderoso Santos de Pelé. E para chegar ao trunfo, o time Rubro-negro apostou na vontade, na determinação e aplicação tática de seus atletas. Com superação e encarando a mística do clube de que a camisa Rubro-negra só se veste por amor, Wanderley, Hermes, Gibi, Alfredo, Julio, Nair, Sérgio Lopes, Dorval, Sicupira, Liminha, Nelsinho, Peter e Toninho provaram, em campo, que a palavra impossível não existe no vocabulário atleticano.

É esse mesmo espírito de superação que todos os atleticanos esperam ver realidade nesta quarta-feira, quando mais uma vez Atlético e Santos fazem um jogo histórico, desta vez valendo vaga para as semifinais da Copa Libertadores da América.

Taça Roberto Gomes Pedrosa – (28/10/1970) – Atlético 1 x 0 Santos
L: Belfort Duarte; A: Arnaldo César Coelho; R: Cr$ 143.980,00; G: Dorval, aos 11 do 1°.

ATLÉTICO: Wanderley; Hermes, Gibi, Alfredo e Julio; Nair e Sérgio Lopes; Dorval, Sicupira, Liminha (Nelsinho) (Peter) e Toninho.

SANTOS: Cejas; Carlos Alberto, Ramos Delgado, Marçal e Rildo; Clodoaldo (Lima) e Nenê; Davi, Douglas, Pelé e Abel.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…