15 jun 2005 - 1h36

A grande família atleticana

Na noite desta quarta-feira, o ritual será o mesmo na casa de um milhão de atleticanos espalhados por todo o planeta: concentração total e muitos pensamentos positivos enviados diretamente para o estádio Urbano Caldeira, em Santos. Na Vila Belmiro, dois mil torcedores terão a honra de representar toda a nação atleticana na partida mais importante da história do clube até aqui. E se a concentração é 100% para os torcedores do Atlético, nas casas das famílias dos jogadores o clima não é diferente. Afinal, são os atletas os maiores responsáveis para conduzir o Rubro-negro à inédita semifinal da Copa Libertadores da América. "Chegar até aqui já foi um mérito. Agora, cabe a vocês, dentro de campo, dar o melhor possível para ir adiante. A gente confia em vocês", sintentiza Miriam, madrasta do goleiro Diego.

Torcida via satélite

480 quilômetros separam Curitiba de Santos. Apesar da distância, Mirieli, esposa do volante Cocito, garante que a força da "torcida caseira" será a mesma. "Estaremos todos aqui em casa, unidos e torcendo muito pela TV para ajudar o Atlético a vencer", revela ela, que vai acompanhar a partida na companhia dos filhos Rafael, de 10 anos, e Letícia, de 3. "O Rafael entende mais, acha que o pai ganha tudo, é o herói. Ele torce bastante", diz. E se nos últimos dias o clima de tensão em torno da partida envolve toda a torcida do Rubro-negro, Cocito esboça tranqüilidade. "Ele está muito confiante, acreditando que dá para ganhar. Procuramos aqui em casa sempre dar apoio, incentivar. Ele está muito ligado para o jogo, fica pensando nas jogadas, no que pode fazer para ajudar o time", fala Mirieli, que deixa uma certeza a todos os atleticanos: não será por falta de torcida da família Cocito que o Atlético não sairá de Santos com a classificação.

Mesma força que promete transmitir Márcia, esposa do zagueiro Marcão. "A vitória é importante para o clube, para a torcida e para ele também", diz. "Por isso, eu procuro dar apoio, incentivar para que ele tenha ainda mais força para correr em campo atrás da vitória, que é o que todos nós mais queremos", completa, dizendo que tanto ela, quanto o pequeno Lucas, de apenas quatro meses, estão torcendo – e muito! – pelo Furacão de Marcão.

"Basta não sofrer gol"

"Pega tudo, Diego!". Esse é o recado de Toni, pai do camisa 1 do Furacão, para o filho. Afinal, se Diego não sofrer nenhum gol na noite de hoje, o Rubro-negro sai classificado da Vila Belmiro. E a fórmula de Toni para conseguir isso é a superação. "O Atlético não vai só contra o Santos, tem toda uma opinião pública também, que coloca o Santos já como semifinalista. Por isso, mais do que nunca, é hora de ser Atlético acima de tudo", revela.

E se não der para Diego defender, a torcida e o "olho" tiram as bolas na direção do gol. É o que promete o irmão do goleiro, Thiago: "Vá em todas as bolas, não desista em nenhum lance. Porque se faltar um pouquinho nós aqui com o olho, com a torcida, a gente tira".

Tranqüilidade acima de tudo

Essa é a receita que Kenia, esposa no meia Fabrício, procura passar a ele antes de cada partida. "Eu digo para ele confiar em Deus e ter tranqüilidade, que aqui a gente está na torcida", revela a mineira. O jogador costuma ligar para casa antes dos jogos, o que faz parte de um ritual do casal. "Temos um ritual antes dos jogos, ele sempre me liga. Quando é titular, eu falo para se esforçar e ter ânimo para continuar firme e forte. Quando começa no banco, conversamos que ele tem que reverter dentro de campo. Procuro passar tranqüilidade para ele", conta Kenia, que hoje ficará na torcida para que o marido ajude o Atlético a conquistar mais este importante passo em sua história.

Kenia, esposa de Fabrício, pede tranqüilidade

A mesma cabeça fria, o irmão do volante Ticão, Júnior, espera que o jogador tenha ao entrar em campo. "Ele tem que jogar com vontade, garra e a cabeça fresca. Se o time chegou onde está, é porque tem condições", afirmou Júnior, que acredita que a tranqüilidade é importante em um momento como este. "É um nível em que o jogador fica muito exposto, todo mundo vai assistir. Ele tem que mostrar o seu melhor, com vontade", completou.

Oeste atleticano

Engana-se quem pensa que a força para ajudar o Atlético vencer vem apenas de Curitiba. Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, está vestida de rubro-negro nesta quarta-feira. "Lógico que tem os que torcem contra, mas arrisco dizer que 99% da cidade torce hoje para o Atlético", contabiliza Antonio Donizete, pai do goleiro reserva Vinicius. Para a partida desta noite, ele manda o recado para o grupo: "Joguem com raça. Isso foi decisivo no primeiro jogo e será decisivo mais uma vez. E na vontade, eles não podem ser melhores que a gente".

Superstição e fé

Muitos acreditam que os dois sentimentos não caminham juntos. Este não é o caso de Cristiane, mãe do meia Fernandinho, que pode retornar aos gramados nesta noite. "Eu desejo que todos tenham fé e sorte para entrar com o pé direito", torce a fã número um do jogador. Enquanto o filho está longe, preparando-se para a partida, Cristiane garante que em sua casa, o clima é de concentração.

Christiane: na torcida pelo filho Fernandinho

"Quando ele está concentrado eu também fico, procurando mandar somente pensamentos positivos", afirmou confirmando que Fernandinho não vê a hora de entrar em campo. "Quando o médico deu a alta nós ficamos muito felizes e, ele ficou ansioso para jogar", completou.

O nosso recado

A partida desta noite é considerada a mais importante da história do Atlético. Até hoje, nenhum time paranaense havia chegado tão longe na Copa Libertadores da América. Assim como as famílias dos nossos jogadores, a Furacao.com deseja muita sorte à equipe que entra em campo e torce para que, independente do resultado, faça brilhar mais uma vez as cores rubro-negras e demonstre que "Rubro-negro é quem tem garra e não teme a própria morte".

Reportagem: Julia Abdul-Hak e Patricia Bahr, do conteúdo da Furacao.com



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…