28 jun 2005 - 20h35

Lembranças de Guadalajara

A partida era válida pelas quartas-de-final da Copa do Mundo de 1986, no México. Brasil e França faziam um jogo disputadíssimo no histórico Estádio Jalisco, em Guadalajara. Careca fez 1 a 0, mas Platini tratou de empatar. Logo depois, Zico entrou em campo e, sob a pressão de 60 mil pessoas no estádio, teve nos seus pés a chance de fazer 2 a 1 numa cobrança de pênalti. No chute, o goleiro francês, Bats, defendeu. Encerrado o tempo normal e a prorrogação, a vaga para as semifinais foi decidida nos pênaltis. Desta vez, Zico acertou a cobrança, mas Sócrates e Júlio César perderam e os europeus levaram a melhor: 4 a 3. "Não deixo de dormir por isso. Gostaria muito de ter tido a felicidade de ter feito aquele gol, mas não foi possível. Só quem não tem nada pra falar ainda acha que foi aquele lance que eliminou o Brasil", afirmou Zico com exclusividade ao site Furacao.com.

Descansando no Rio de Janeiro depois de classificar o Japão para a Copa do Mundo e de dar um sufoco no Brasil na Copa das Confederações – competição na qual também enfrentou alguns jogadores do Chivas -, o ex-craque não deixa de acompanhar os jogos dos times brasileiros, em especial do Atlético na Libertadores. Com a experiência de quem já atuou por diversas vezes no Estádio Jalisco, o Galinho dá as dicas para o Furacão sair do México como finalista. "O Atlético pode esperar por uma pressão da torcida igual à da Baixada. O estádio é otimo, o campo também e se o Atlético jogar como jogou na Arena pode perfeitamente sair com a vitoria", disse o principal ídolo dos craques da nova geração.

Sem zebras

Depois de disputar três Copas do Mundo (1978, 1982 e 1986), Zico foi se aventurar no futebol japonês, onde encerrou a carreira como jogador. Foi também no Oriente que ele recebeu a valiosa oportunidade de dirigir a Seleção do Japão. Os resultados obtidos são surpreendentes e o nível dos atletas evoluiu muito desde a sua chegada. "Não acredito em zebra no futebol atual. Existem competições com regulamentos diferentes e muitas vezes algumas equipes vão bem numa e em outras não", afirmou o Galinho, comparando as campanha do Atlético na Libertadores e no Campeonato Brasileiro. "Acho que no momento o Atlético priorizou a Libertadores e, por isso, os resultados apareceram. Em nenhum momento vejo o Atlético como zebra", completou.

Confiante na vantagem adquirida no primeiro jogo disputado em Curitiba, Zico acha que a experiência do técnico Antonio Lopes vai ser fundamental para a classificação do Atlético para a final da Copa Libertadores. Satisfeito com o futebol do Furacão, o técnico do Japão diz não fazer previsão do placar em Guadalajara. "Não tenho palpite para os jogos (da semifinal da Libertadores), mas estou na torcida para que dê Atlético e São Paulo", finalizou.

A torcida do Atlético também confia num bom resultado em Guadalajara e espera voltar do México com a inédita vaga para a final na bagagem.

Agradecimentos a Delisiée Teixeira.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…