28 jun 2005 - 21h32

Reviravolta: selecionados do Chivas podem jogar

A novela continua. Depois de toda a imprensa mexicana ter anunciado o veto da FIFA à participação, na partida contra o Atlético, dos jogadores do Chivas que estavam com a seleção, há poucas horas novas informações foram divulgadas, dando conta da liberação dos atletas pela entidade máxima do futebol.

Não se sabe se a FIFA voltou atrás ou se toda a novela foi uma estratégia do Chivas para despistar o Atlético, já que a notícia do suposto veto havia sido divulgada ontem por um dirigente do próprio clube mexicano. Hoje, um dos jornais mexicanos chegou a divulgar que o avião particular do presidente do clube, Jorge Vergara, sequer embarcaria para a Alemanha, conforme previsto, para apanhar os jogadores após a partida do México contra a seleção da casa.

O fato é que as últimas notícias apontam que a FIFA liberou os atletas para enfrentar o Atlético na quinta-feira. A Federação Mexicana de Futebol divulgou o seguinte comunicado: "FIFA autorizó que los jugadores del Club Guadalajara que se encuentran participando con la Selección Mexicana de Fútbol en la Copa FIFA Confederaciones 2005, (…) podrán jugar el partido de vuelta de las Semifinales de la Copa Libertadores".

Assim, os goleiros Oswaldo Sánchez e Jesús Corona, o zagueiro Carlos Salcido, o meia Ramón Morales e o atacante Alberto Medina devem estar em campo pela partida de volta da Copa Libertadores, mesmo antes de 48 horas após atuarem pela seleção mexicana e enfrentar um vôo de longa duração da Alemanha até Guadalajara.

Leia as últimas notícias da imprensa mexicana:

El Informador: "FIFA permite a jugadores de Chivas jugar la Libertadores"
La Cronica: "FIFA autoriza a seleccionados de Chivas a jugar semifinal de la Libertadores"
La Tercera: "Chivas contará con sus seleccionados ante Paranaense"
El Nuevo Gerald: "Internacionales de Chivas jugarán ante Paranaense"
Reuters: "Internacionales de Chivas habilitados para Libertadores"



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…