3 jul 2005 - 22h36

Torcida atleticana fez manifestação em prol da Arena

Milhares de torcedores atleticanos se reuniram na tarde deste domingo em frente da Kyocera Arena para uma manifestação em prol do estádio. A intenção era demonstrar que a massa rubro-negra deseja que o primeiro jogo da final da Libertadores, contra o São Paulo, seja realizado em Curitiba, sede do Atlético. Deste modo, todos os torcedores poderiam acompanhar de perto o desfecho de uma trajetória iniciada ainda no ano passado, durante a disputa do Campeonato Brasileiro. Foram vários meses de espera para a grande final da Libertadores e, agora, no momento decisivo pretendem retirar a partida de Curitiba.

Além dos milhares de atleticanos que se reuniram no calçadão da Rua Buenos Aires, outras centenas de pessoas estavam próximas dali, em barracas armadas de modo improvisado nas calçadas e jardins de ruas próximas do estádio. Esses torcedores já estão na fila para comprar ingresso para a partida desde a última sexta-feira, na certeza que o jogo será na Arena, estádio mais moderno do país.

Com o fundo musical de uma banda e da bateria da Fanáticos, fizeram uso da palavra o vereador Mario Celso Cunha, o presidente do ETA Doático Santos, o presidente da Fanáticos Júlio Sobota e o presidente da Ultras Gabriel Barbosa. Todos demonstraram indignação pela pretensão de algumas pessoas de tirar o jogo de Curitiba. Mario Celso Cunha narrou como estão sendo as negociações com a Conmebol e disse que a mobilização da torcida é um papel fundamental em todo o processo. Doático Santos afirmou que o governador Roberto Requião intercederá para que o jogo seja em Curitiba. Julião revelou que teme pela segurança dos atleticanos nas estradas entre Curitiba e Porto Alegre.

Depois da manifestação, os torcedores seguiram para a entrada da Arena da Rua Getúlio Vargas e acompanharam a execução das obras de instalação das arquibancadas tubulares. Confira fotos da manifestação atleticana deste domingo:



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…