17 ago 2005 - 0h58

Conquista do Paranaense de 70 comemora 35 anos

Atual vice-campeão da Copa Libertadores da América e do Campeonato Brasileiro, detentor dos títulos brasileiro de 2001 e da Seletiva de 1999, tricampeão paranaense em 2000, 2001 e 2002, único clube do mundo a possuir uma camisa na Cápsula do Tempo em Nova York, participações em três Libertadores, dono do melhor estádio da América Latina e do centro de treinamentos mais moderno do Brasil. Este "currículo" é motivo de orgulho para mais de um milhão de torcedores fanaticamente apaixonados. Ninguém é atleticano apenas em função de um título conquistado ou em razão da alegria de poder apreciar uma estrutura impecável. O sentimento de atleticanismo transcende explicações lógicas. Está no coração rubro-negro de cada um de nós e por nós é compartilhado, mas não explicado.

Apesar disso, comemorar conquistas e exaltar passagens épicas faz parte da nossa condição de atleticano. É fascinante descobrir uma história recheada de momentos de luta, raça e empenho de milhares de atleticanos que existiram antes de nós e contribuíram para que o Atlético chegasse onde está hoje.

Por isso, é sempre necessário resgatar o passado para valorizar ainda mais o presente e projetar soluções para o futuro. Há 35 anos, em setembro de 1970, o Clube Atlético Paranaense disputou e ganhou, com muita raça, o Campeonato Paranaense. Naquele tempo, o Rubro-negro atravessava uma situação extremamente delicada. Em péssimas condições financeiras, o clube mal tinha recursos para comprar os uniformes dos jogadores e para pagar salário aos funcionários. Mesmo assim, um grupo de atleticanos se uniu em torno de um objetivo e conquistou o título mais comemorado da história do futebol paranaense. Fazia 12 anos que o Atlético não conquistava sequer um troféu na categoria profissional.

Graças a conquistas como aquela, de 1970, que se formou a personalidade do atleticano de hoje, um forte, que não desiste nunca e luta com raça pelos seus ideais. Para muitos atleticanos da "velha guarda", o título de 70 foi um dos mais importantes da história do Furacão. O ex-jogador Nilson Borges, que disputou aquele campeonato, compartilha dessa opinião. "Minha maior alegria no Atlético foi o título de 1970. Foi um negócio espetacular. A decisão foi em Paranaguá e, naquele dia, eu vi o que era a torcida do Atlético. Tinha carro de Paranaguá até o centro de Curitiba, um atrás do outro. Todo mundo festejou, foi uma festa muito bonita. Isso é algo que eu guardo com muito carinho no meu coração", revela Nílson, que atualmente exerce a função de auxiliar técnico do Atlético.

Comemoração

Em razão da importância histórica da data, os sites Furacao.com e RubroNegro.Net lançam uma série de reportagens especiais para celebrar os 35 anos da conquista do Campeonato Paranaense de 1970. Nos próximos dias, os torcedores atleticanos poderão conhecer ou relembrar histórias marcantes daquele título, bem como terão espaço para prestar suas homenagens aos jogadores e dirigentes que proporcionaram essa alegria ao povo rubro-negro.

Se você tem qualquer material (jornais, camisas, fotos, vídeos, recortes etc.) sobre o Atlético daquela época ou especificamente da conquista do título de 70, entre em contato conosco através do formulário abaixo. Do mesmo modo, se você possui contato ou tem informações sobre jogadores e dirigentes que participaram do Campeonato Paranaense de 1970, envie uma mensagem para nós. Temos interesse em localizar esses atleticanos para ampliar as homenagens.

%contato%



Últimas Notícias

Notícias

A evolução do Athletico

É inegável a evolução do rubro-negro. Desde a mudança no comando técnico, o Furacão vem evoluindo a cada jogo. Atualmente acumula quatro vitórias consecutivas. Além…