13 set 2005 - 9h30

Há 35 anos, Atlético conquistava o Paranaense

No dia 13 de setembro de 1970, o Clube Atlético Paranaense conquistou o título do Campeonato Paranaense. O feito foi comemorado de modo intenso, como Curitiba jamais havia visto. Encerrando um jejum de 12 anos sem títulos, o Atlético goleou o Seleto por 4 a 1 na partida decisiva, disputada no Estádio Orlando Mattos, em Paranaguá, absolutamente tomado por atleticanos. No retorno a Curitiba, formou-se uma imensa fila de carros de torcedores, que comemoraram durante todo o trajeto na estrada das praias. Na capital, a festa tomou conta da Boca Maldita.

Confira como foi a partida decisiva contra o Seleto (texto extraído do Hot Site dos 80 Anos):

O jogo da consagração

Após tantos altos e baixos, no dia 13 de setembro Atlético e Seleto realizavam a última partida do Campeonato Paranaense, em Paranaguá. A equipe jogou tudo o que sabia e deu certo. O Estádio Orlando Mattos foi invadido quatro minutos antes do término da partida, pela nação atleticana que agora podia gritar sem medo: “É Campeão! É Campeão!” .

Antes de o jogo começar, por volta das 14 horas, o estádio já estava lotado pela nação atleticana. Esta, composta na sua maioria por jovens, extravasava uma alegria incomum, ensaiando para a festa final. Para o Atlético, só a vitória lhe daria o título. Porém, foi o Seleto que começou atacando, logo aos dois minutos, com Macaé. O jogador recebeu a bola na entrada da área e chutou forte, passando à esquerda do gol de Vanderlei. A resposta do Atlético veio aos quatro minutos com o jogador Toninho, que aproveitou um rebote e chutou para o goleiro Expedito fazer boa defesa. Foi o suficiente para despertar a nação atleticana, que estava silenciosa até então. Enquanto isso, o Seleto demonstrava-se melhor no meio-campo, com Macaé e Lori ganhando as ações de Reinando e Toninho, que tinham suas tarefas dificultadas pela intervenção no setor de Juquinha.

O bloco defensivo do Atlético começou instável. Zico e Alfredo permitiam o avanço de Luis Antônio, que despontava com grande atuação. Com o decorrer dos minutos, o miolo da área rubro-negra melhorou, tranqüilizando o restante do time. Finalmente aos seis minutos o torcedor do Atlético experimentou a primeira grande emoção no campo do Orlando Mattos. Nelsinho fez tabela com Sicupira e a defesa seletense falhou, permitindo a Liminha um toque rápido para Nilson, que estava em excelente posicionamento. Era a euforia para a nação atleticana, que começava a ver a equipe desenhar o sucesso final do Atlético.

Mas o Seleto não se impressionou muito com o placar aberto pelo rubro-negro. Continuou forçando a linha da zaga adversária e aos 10 minutos, Reinaldo derrubou Juquinha na entrada da área. Luis Antônio fez a cobrança da falta perigosa, mas não teve sucesso. Em seguida, o Atlético começou a mostrar ainda mais autoridade em campo. Nilson auxiliava o meio-campo, Sicupira pegava as sobras e lançava de primeira para Nelsinho, que mostrava sua extrema velocidade. Aos 13 minutos do segundo tempo, Nelsinho recebeu um lançamento forte, matou no peito e buscou a área seletense. O goleiro Expedito saiu da meta e levou o segundo gol, fazendo a torcida atleticana vibrar. O Seleto tentou correr atrás do prejuízo. Juquinha chutou forte com o pé esquerdo na entrada da área, fazendo com que o goleiro Vanderlei realizasse uma grande defesa. E não demorou para a equipe diminuir. O zagueiro Zico devolveu mal um lançamento vindo da direita e Juquinha aproveitou, aos 24 minutos, chutando a bola no ângulo direito do goleiro atleticano, que nada pôde fazer.

Mas o gol seletense não intimidou os comandados do técnico Alfredo Ramos, que pedia a todo momento muita calma, principalmente para o jogador Reinaldo, que estava errando muitos lançamentos. A partida atingiu os 30 minutos e era notado um equilíbrio entre as equipes na partida, que revezavam-se nas jogadas de área. Zico despontava com grande segurança ao lado de Alfredo, com a zaga rubro-negra completada pela presença de Djalma Santos e Julio, nas laterais. Mesmo com vantagem o Atlético não mostrava superioridade, com seu ataque contido pela zaga seletense. E aos 35 minutos que aconteceu o terceiro sucesso do rubro-negro da Baixada. Nilson cobrou uma falta pelo lado esquerdo do campo e a bola passou por todos da zaga do Seleto, inclusive por Nelsinho e Sicupira. Liminha, trabalhando em silêncio, pegou a sobra e chutou rasteiro, para os fundos da rede do goleiro Expedito.

Para a segunda etapa, os times voltaram iguais e o Seleto mostrou nas primeiras movimentações que não iria desanimar tão cedo, mesmo com o placar desfavorável. Aos 2 minutos, Lori recebeu um rebote na entrada da área e com um chute longo, quase anotou o segundo gol para o Seleto. Já o Atlético respondeu com Sicupira, que proporcionou um lance de perigo para Expedito. O artilheiro rubro-negro viu Liminha em alta velocidade e fez um lançamento longo, que na hora de finalizar, acabou sendo cortado por Pardal. Passados cinco minutos de jogo, a experiência de Zico se fez valer. O zagueiro simulou uma contusão a fim de esfriar o ânimo dos comandados pelo técnico Hélio Alves. Além disso, Sicupira aterrorizava com seus lançamentos em profundidade buscando a velocidade de Nelsinho pelo comando, e Liminha pela direita.

Aos 13 minutos, Pardal cobrou uma infração da intermediária do Atlético e a bola foi ao encontro do peito de Vanderlei. Luis Antônio subiu para tentar de cabeça, mas chegou tarde demais, atingindo o goleiro atleticano. Em seguida, o técnico do Seleto substituiu Moacir por Bonin, que pouco produziu. Aproveitando o bom momento, o Atlético quase marcou o quarto gol. Sicupira ganhou uma bola na intermediária, evoluiu na saída do goleiro seletense e acabou na marcação de Dinei. Sentindo que Nelsinho estava cansado, o técnico Alfredo Ramos resolveu substituí-lo por Zezé, que entrou com muita vontade, mas não foi feliz logo após seus primeiros toques na bola, sentindo uma contusão no joelho esquerdo. Enquanto isso, a torcida aguardava com entusiasmo os minutos finais da partida para então explodir.

Nos minutos finais, a torcida já não agüentava mais a espera e começou a cantar: “ Está chegando a hora…” Dentro de campo, os jogadores eram tomados por uma expectativa fora do comum, à espera do apito final. Aos 41 minutos, Toninho foi o autor do gol mais vibrante da partida. Após tabelar com Sicupira, Zezé lançou Toninho, que entrou na pequena párea e chutou forte para vencer o goleiro Expedito mais uma vez. E foi nessa hora, que a torcida invadiu o gramado para abraçar os jogadores, que foi provocada a queda de uma arquibancada improvisada, ferindo algumas pessoas, mas sem gravidade. Após o trabalho da Polícia Militar na retirada do público, o árbitro Eraldo Palmerine finalmente levantou os braços e encerrou um grande espetáculo. A torcida, ordenadamente, sem estragar o patrimônio alheio, tomou conta do campo e foi festejar mais uma conquista para a história do Atlético. Curiosamente, o placar, de 4 a 1, foi o mesmo da conquista do Tri Campeonato do Brasil, na Copa do Mundo de 1970, ao enfrentar a Itália no México.

Muitos não sabem, mas a conquista do Atlético chegou a ser ameaçada pelo rival Coritiba, que havia apresentado um recurso no Tribunal de Justiça Desportiva, alegando que o rubro-negro tinha colocado em campo o jogador Nilson, sem condições (ele teria sido expulso na partida anterior, que teve o Atlético como vencedor, em cima do União Bandeirante). Nem a chuva atrapalhou a festa atleticana, na volta a Curitiba. Do alto da serra, a festa era ouvida de longe pelo toque estridente das buzinas enfatizavam a comemoração de uma multidão que parecia não ter mais fim. Em Curitiba, uma enorme festa aconteceu nas principais avenidas da cidade, nas ruas, bares e carros, mesmo com a chuva forte que caía naquele dia. E então os jornais puderam noticiar a grande conquista do rubro negro, após tantas crises e desencontros: “Era o Furacão, que voltava mais vibrante do que nunca, após vencer o Seleto e liquidar o Coritiba”.

Final – Paranaense – (13/09/1970) – Seleto 1 x 4 Atlético
L: Orlando Mattos; A: Eraldo Palmerini; R: 35.929,00; G: Nilson Borges, aos 6 do 1°; Nelsinho, aos 13, Juquinha, aos 24, Liminha, aos 35, e Toninho, aos 41 do 2°.

SELETO: Expedito; Calé, Diney, Vivi e Pardal; Macaé e Lori (Fábio); Josemar, Juquinha, Luis Antônio e Moacir (Bonin). T: Hélio Alves.

ATLÉTICO: Vanderlei; Djalma Santos, Zico, Alfredo e Júlio; Reinaldo e Toninho; Liminha (Gildo), Sicupira, Nelsinho (Zezé) e Nilson Borges. T: Alfredo Ramos.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…