9 out 2005 - 10h26

Andrey feliz com a oportunidade no time principal

Ele é apenas a quarta opção para ocupar o posto de goleiros do Atlético e, de um dia para o outro, virou goleiro reserva. Com as contusões do titular Diego e do 3º goleiro Vinícius, o jovem Andrey ganha a primeira oportunidade no time principal do Rubro-negro. A estréia no banco de reservas será nesta terça-feira, na partida contra o Brasiliense. Uma oportunidade que Andrey espera desde que chegou no clube, no início deste ano.

“Quando eu cheguei o grupo já estava formado. Por isso sabia que o que me restava era trabalhar e estar pronto para quando tivesse a oportunidade poder corresponder”, afirmou o jogador. “Estou feliz por poder fazer parte do grupo e agora poder mostrar o meu trabalho”, completou.

A convocação de Andrey para compor o grupo que se concentra para o jogo contra o Brasiliense é marcada por uma série de contusões. O titular Diego está afastado do time desde a véspera da partida contra o Flamengo devido a uma luxação no dedo da mão direita. Com isso, o reserva Tiago Cardoso ganhou o posto de titular, com Vinícius sendo a opção no banco. Na sexta-feira foi a vez de Vinícius sofrer uma luxação no dedo da mão esquerda, tendo que ficar em tratamento.

“Temos que esperar a oportunidade sabendo sempre que o espaço é do Diego, que é o titular. Cabe a nós aproveitar sempre as poucas oportunidades que temos”, disse o novo dono da camisa número 12 do Rubro-negro.

Andrey Nazário Afonso nasceu em Porto Alegre e foi revelado nas categorias de base do Grêmio. Considerado no Rio Grande do Sul como uma das maiores revelações do tricolor gaúcho nos últimos tempos, no início de 2005 assinou contrato com o Atlético. Enquanto ainda defendia as categorias de base do time gaúcho, Andrey foi convocado para diversos jogos da Seleção Brasileira Sub-20, quando chegou a atuar ao lado do atleticano Dagoberto e do ex-atleticano Fernandinho.

Clique aqui e conheça um pouco mais sobre o goleiro Andrey.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…