9 out 2005 - 22h06

Evaristo de Macedo fala sobre sistemas táticos

O técnico Evaristo de Macedo participou do programa Mesa Redonda, do canal CNT, na noite deste domingo. Ele tratou de diversos temas, como sua boa estréia no comando do Atlético, com duas vitórias, e o desafio do jogo da próxima terça-feira, contra o Brasiliense. Evaristo também deu sua opinião sobre questões táticas e falou em geral sobre o futebol e os jogadores profissionais.

"Quando você joga com três zagueiros, você pode jogar com um cabeça-de-área só e o resto vamos embora, vamos pro jogo. Agora, quando você joga com dois zagueiros é preciso ter dois volantes", disse, revelando que deverá escalar sempre dois volantes enquanto o time estiver atuando no 4-4-2. "O Alan Bahia dá sustentação à zaga, mas com dois zagueiros fica difícil para ele jogar sozinho. Então você precisa de alguém a auxiliá-lo para deixar os laterais, os meias e os atacantes jogarem", explicou Evaristo.

O técnico deixou claro que gosta de um futebol ofensivo, em que os atacantes e meias não precisam se dedicar tão intensamente à marcação. "É claro que o jogador que está na jogada e perde a bola tem a obrigação de recuperá-la, mas não vai largar tudo e voltar pra marcação. Os meias e atacantes têm de se preocupar em jogar, não em marcar", falou, arrcando elogios dos comentaristas Sicupira e Valmir Gomes. Adepto da máxima de que é necessário um "carregador de piano" para deixar um craque jogar, Evaristo de Macedo disse que "O bom jogador faz fácil o futebol. Quem complica é o mau jogador. No colégio, eu posso passar de ano com grau cinco ou grau dez. No futebol, tem jogador que tem grau cinco e que são profissionais também. O que os treinadores têm de fazer é avaliar esse jogador e pedir dentro da capacidade dele, não exigir demais".

Para o treinador rubro-negro, não é necessário pedir dedicação aos jogadores, pois isso é imposto automaticamente pelas características do jogo. "Eu não peço espírito de luta ao meu time. O próprio futebol exige que o jogador tenha esse espírito, senão não vai jogar. Eu peço a eles que joguem bola porque futebol é um jogo. Não é partida de futebol. Partida é de dama, xadrez, de outra coisa. Futebol é jogo. A gente tem de gostar de quem sabe jogar. E tem de deixar jogar", pregou.

Brasiliense

Para o jogo contra o Brasiliense, Evaristo disse que o time está preparado e que ele decidirá as últimas estratégias nesta segunda-feira. "Hoje (domingo) eu recebi um relatório com toda a movimentação do Brasiliense", disse, aproveitando para elogiar o meia Marcelinho Carioca, destaque do adversário. "O Marcelinho foi meu jogador, é um ótimo jogador e muito perigoso. É um exímio cobrador de corner e de falta. Se você permitir que ele chute, ficará complicado para o goleiro", avisou.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…