27 nov 2005 - 23h15

Atleticanos acompanharam no radinho jogos da rodada

Durante os 90 minutos do jogo da tarde deste domingo, na Kyocera Arena, os mais de 9 mil atleticanos que estavam presentes no estádio cumpriram uma espécie de ritual: os olhos estavam grudados no gramado, acompanhando todos os lances de Atlético e Paysandu. Mas os ouvidos estavam ligados no radinho, com as atenções voltadas para os outros jogos da penúltima rodada do Campeonato Brasileiro.

E se na penúltima rodada da competição o maior rival tem grandes chances de ser rebaixado para a 2ª divisão, evidente que os jogos dos últimos colocados ganham atenção especial da torcida atleticana. Durante todo o jogo, músicas provocativas ao Coritiba eram constantes na Baixada. No intervalo do jogo, quando os alto-falantes da Kyocera Arena anunciaram o primeiro gol do Figueirense contra o Brasiliense, os atleticanos vibraram como se fosse um gol do Rubro-negro. Sob o coro de “a, é, i…. o Coxa vai cair” a torcida fez uma bonita festa na Baixada.

Vibração maior foi vista quando anunciaram o gol de empate do São Caetano, no finalzinho do jogo. “Arerê êê! O Coxa vai cair para a Série-B êê!!!” foi o grito que embalou os atleticanos. A comemoração foi tanta que muitos sequer prestaram atenção no segundo gol do Paysandu no jogo, que aconteceu segundos após a divulgação do gol do Azulão.

Briga pelo título

Na disputa pelo título, a maioria do torcedor atleticano já escolheu seu candidato preferido. E ele é aqui do Sul, o Internacional. “Temos que retribuir o apoio dos colorados na final da Libertadores”, era a justificativa que mais se ouvia na Baixada. E a preferência pelo Inter fez com que os atleticanos vibrassem com os gols do Internacional na vitória por 2 a 1 sobre o Palmeiras. Adversário do time gaúcho na luta pela taça, os gols do Corinthians sobre a Ponte Preta na vitória por 2 a 1 foram mal recebidos pela torcida do Furacão. Em compensação, quando a Ponte abriu o placar, a comemoração foi intensa na Baixada.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…