24 jan 2007 - 16h02

Modelo de gestão atleticano continua em destaque

O modelo de gestão administrativa do Clube Atlético Paranaense continua sendo destaque nos principais veículos dedicados ao tema. Nesta semana, o site Cidade do Futebol destacou a reformulação administrativa que o clube vem passando desde 1995, ano em que Mario Celso Petraglia liderou um grupo de conselheiros que promoveram uma reforma na maneira de gerir o clube. O Cidade do Futebol é especializado em analisar os clubes do Brasil e do mundo não apenas focando o lado esportivo, mas também e principalmente os aspectos relacionados a gestão e estrutura,

A matéria, assinada por Guilherme Costa, destaca mais uma inovação que o modelo de gestão atleticano trará para o futebol brasileiro: a implementação do cargo de presidente profissional. A reportagem apresenta declarações do diretor de marketing atleticano, Mauro Holzmann, além do general adviser de gestão e planejamento estratégico do clube, Eduardo Mendonça.

De acordo com a matéria do Cidade do Futebol, esta reorganização no organograma do Furacão será feita de tal forma que a função do presidente do clube possivelmente será extinta, passando o controle de toda a gestão do clube a cinco diretorias. "Uma possibilidade é estabelecer cinco diretorias interligadas pelo Conselho Deliberativo, o Conselho de Gestão e um diretor-superintendente. Essa estrutura profissional e uma cultura de planejamento estratégico realista são pontos fundamentais para que o futebol brasileiro tenha uma evolução nos próximos anos", declarou Eduardo Mendonça.

Ainda foram destacados a implantação dos softwares ERP de gestão administrativa e a IFS Applications para gestão do departamento pessoal do clube (clique aqui para ler a matéria sobre o tema publicada pela Furacao.com), além da minuciosa auditoria realizada nos processos administrativos do Rubro-negro.

Terceira etapa

A matéria revela que, em 2007, o Atlético tem como pretensão intensificar os modelos estratégicos que estão sendo estabelecidos. "No plano que montamos, duas etapas já foram cumpridas. A primeira, iniciada em 95, consistia em focar exclusivamente no futebol, ou seja, passar a não competir em outros esportes. Além disso, criamos um novo escudo. A segunda foi montar uma infra-estrutura forte. Já que não tínhamos tanta tradição, precisávamos oferecer ao mercado o que os outros não tem: um grande centro de treinamentos e um estádio de padrão europeu. O próximo passo é uma evolução administrativa", contou Mauro Holzmann.

Clique aqui para ler a matéria do Cidade do Futebol. É necessário ter cadastro no site para ter acesso à íntegra da matéria. O cadastro é gratuito.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…