15 abr 2008 - 19h09

Em 2008, Atlético não sofreu dois gols em uma partida

O Toledo terá que fazer o que nenhuma outra equipe conseguiu em jogos oficiais contra o Atlético neste ano: marcar dois gols no Furacão em um único jogo. Só assim a equipe do interior consegue a vaga nas finais do Campeonato Paranaense. O Rubro-Negro, após ter vencido a primeira partida em casa por 1 a 0, pode até perder por um gol de diferença para se classificar, já que leva a vantagem do saldo zero por ter a melhor campanha geral do torneio.

A marca atleticana começou a ser construída ainda em 2007. Na última partida do ano, contra o São Paulo, o Atlético venceu por 2 a 1. De lá pra cá, são mais 24 partidas – contando Campeonato Paranaense e Copa do Brasil – nas quais nenhuma equipe balançou as redes do Furacão duas vezes em um único jogo. A eficiência na defesa coloca o Atlético como melhor defesa do estadual, com 10 gols sofridos em 20 jogos disputados.

Apesar da vantagem e da marca, o time e a comissão técnica querem a vitória no interior. "Temos todas as condições de chegar em Toledo e conseguir uma vitória, assim como fizemos contra o Paraná e contra o Iraty fora de casa. Podemos fazer um bom jogo diante do Toledo e carimbar a nossa classificação à fase final com uma vitória, que é o nosso objetivo", defende o técnico Ney Franco. O zagueiro Rhodolfo lembra do retrospecto, mas garante que o pensamento é na vitória: “Faz vários jogos que a gente não leva dois gols. Vamos entrar e tentar a vitória para chegar à final", declara.

Para o jogo decisivo o Atlético não contará com um de seus jogadores da defesa. O zagueiro Danilo recebeu o terceiro cartão amarelo no último jogo e deve ser substituído por Alex Fraga. O substituto jogou duas partidas ao lado de Antônio Carlos e Rhodolfo nesta temporada: na vitória contra o Iraty por 1 a 0 em Irati e na derrota pelo mesmo placar para o Engenheiro Beltrão em Engenheiro Beltrão.



Últimas Notícias

Opinião

Céu e inferno

Qual a semelhança entre Casemiro Mior, Flávio Lopes, Heriberto da Cunha, Ricardo Drubscky, Leandro Ávila e Fabiano Soares? E entre Geninho, Antonio Lopes, Paulo Cesar…