25 abr 2008 - 16h16

Atletibas memoráveis: o primeiro título na Arena em 2000

Na sexta reportagem da série "Atletibas memoráveis", chegou a hora de relembrar a conquista de 2000, no primeiro título atleticano na nova Arena.

O ano de 2000 foi histórico para o Atlético: pela primeira vez, o Furacão disputaria a Copa Libertadores da América, torneio interclubes mais importante do continente. Após uma primeira fase irretocável, em que terminou invicto e com 5 vitórias em 6 jogos, o Atlético foi eliminado nas oitavas-de-final dentro da Baixada, nos pênaltis, pelo Atlético Mineiro.

O Furacão disputou mais dois torneios importantes no primeiro semestre daquele ano: a Copa Sul-Minas e a Copa do Brasil. Porém, o Rubro-Negro foi eliminado em ambas e também por equipes mineiras: o Cruzeiro foi o algoz atleticano na Copa do Brasil, enquanto o América eliminou o Atlético na Sul-Minas, novamente na cobrança de penalidades. A salvação do semestre poderia vir no Campeonato Estadual.

Contando com praticamente a mesma equipe que venceu a Seletiva da Libertadores no ano anterior (título que rendeu a classificação inédita para a Libertadores), o Furacão era uma das equipes mais fortes do país. O destaque era para o quarteto ofensivo, batizado de “Quadrado Mágico”: Adriano, Kelly, Lucas e Kléber.

O Atlético chegou até a decisão com apenas uma derrota. Destaque para a semifinal: duas vitórias tranqüilas sobre o Paraná Clube, 3 a 0 e 3 a 1. A vantagem na final era atleticana. Após o empate no primeiro jogo no Couto Pereira por 1 a 1, gol de Adriano, bastava mais um empate para o Atlético se sagrar campeão estadual.

Gustavo fez o gol que garantiu a festa atleticana [foto: arquivo]


Após um primeiro tempo sem gols, o Coritiba assustou no início da segunda etapa. Aos 6 minutos, Leandro Tavares marcou o gol que daria o título para os alviverdes. Precisando de um gol para reverter a situação adversa e contando com o apoio da torcida que lotou a Arena, o técnico Vadão realizou substituições que visavam dar maior ofensividade ao Rubro-Negro: tirou o volante Goiano para a entrada do meia Silvinho e sacou o lateral Jorginho Paulista para a entrada do atacante Gilson Batata. Porém, o grande salvador atleticano foi um zagueiro. Aos 32 minutos, Gustavo cabeceou para os fundos das redes do goleiro Gilberto, decretando o empate que bastava para a festa atleticana. Na comemoração, extasiado, Gustavo tirou a camisa e foi expulso pelo árbitro Oscar Roberto de Godoi. Mas a expulsão não prejudicou a festa rubro-negra. Pela primeira vez, o Furacão comemorava um título na nova Arena da Baixada, inaugurada um ano antes, em 1999.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Novo “Timoneiro”

Sim.. Estava na cara.. Eduardo Barros, apesar de muito promissor e ser Sim, um nome para treinar a equipe rubro negra.. Ainda estava “Cru” e…