1 maio 2008 - 1h16

Confira quem foram os artilheiros dos Atletibas decisivos

Falta pouco para o jogo decisivo, a grande finalíssima do Campeonato Paranaense de 2008. Depois de perder por 2 a 0 no Couto Pereira, o Atlético precisa pelo menos de dois gols de diferença para forçar uma prorrogação, ou de três ou mais gols de diferença para faturar ainda no tempo normal seu 22º título estadual.

E para isso os pés dos jogadores rubro-negros precisam estar calibrados, para não apenas marcar os gols necessários para reverter a desvantagem, mas também para entrar na galeria dos lendários artilheiros das finais envolvendo a dupla Atletiba.

Essa história que começa em 1941, ano da primeira final entre os rivais estaduais. Melhor para o time alviverde, que venceu as duas partidas decisivas, por 3 a 1 e 1 a 0, ficando com o caneco. E o único gol atleticano nessa decisão foi marcado pelo atacante Oscar, na primeira partida, no Joaquim Américo.

Já nas duas finais seguintes, melhor para o Atlético. No Estadual de 1943, em que os jogos decisivos aconteceram apenas em janeiro de 1944, a equipe atleticana se vingou da decisão anterior, vencendo ambas as partidas pelo placar de 3 a 2. Na ida, no estádio Belfort Duarte, hoje Couto Pereira, o paraguaio Ibarrola, duas vezes, e Lilo fizeram a festa dos atleticanos. Já no jogo de volta, no Joaquim Américo, Lilo marcou dois, além do gol de Batista.

Dois anos depois, foram necessários três jogos para definir o campeão do estadual de 45. No primeira jogo, vitória coxa por 2 a 1, com Jackson marcando para o Furacão. Na segunda partida, um festival de gols, e vitória por 5 a 4 para o Atlético. Os gols desta partida foram marcados por Cireno, duas vezes, Lilo e Guará, duas vezes. No jogo decisivo, vitória atleticana por 2 a 1, gols do Lilo e Xavier. Flodoaldo Trindade, o Lilo, tornou-se assim o maior artilheiro atleticano em Atletibas decisivos.

Vice-campeonatos

Nas finais de 1968, 1972 e 1978, O Coritiba ficou com o título estadual. Apenas na decisão de 1968 houve gols do Furacão. Na primeira partida, derrota por 2 a 1, gol de Milton Dias. No segundo jogo, empate em 1 a 1, gol atleticano marcado por Zé Roberto. Em 72 derrota por 1 a 0 na primeira partida, e um empate sem gols no segundo jogo. Já em 78 foram três empates por 0 a 0, e decisão por pênaltis. onde o Coritiba ganhou por 4 a 1.

Hegemonia rubro-negra

Se o Atlético amargou três derrotas consecutivas, em 1983 começa uma sequência de quatro títulos em cima do maior rival. Além de 83, o Furacão levou a melhor em 1990, 1998 e 2000.

Depois de 53 anos, o Atlético conseguia um bicampeonato estadual. E nada melhor do que vencendo o Coritiba. Nas finais de 1983, brilhou a estrela do atacante Joel, autor de dois gols. No primeiro jogo, vitória por 1 a 0. No jogo de volta, empate em 1 a 1, e festa no Couto Pereira.

Já na decisão de 1990 dois empates garantiram o título atleticano. E coube ao atacante Dirceu ser o herói, marcando dois gols nos jogos decisivos. Porém, o gol inesquecível para a nação rubro-negra foi do zagueiro alviverde Berg, contra seu próprio patrimônio. 1 a 1 e 2 a 2 respectivamente foram os placares dos jogos decisivos.

No estadual de 1998, o Atlético vinha de uma campanha magnífica. E três jogos foram necessários para decidir o campeão estadual. No primeiro jogo, empate por 1 a 1, gol de Nélio. Na segunda partida, goleada atleticana por 4 a 1, gols de Adriano, Alex, Luisinho Netto e Nélio. Na partida decisiva, vitória por 2 a 1, com gols de Wilson e Dedé.

Adriano Gabiru e o zagueiro Gustavo foram os responsáveis pelos gols decisivos do Paranaense 2000. Dois empates por 1 a 1 garantiram o quarto título consecutivo em cima dos rivais do Alto da Glória.

Anos 2000

Porém, a sequência de triunfos sobre o rival foi interrompida na decisão de 2004. Na partida de ida, o Atlético acabou perdendo por 2 a 1, com Igor marcando para o Furacão. No segundo duelo, um empate por 3 a 3 garantiu o título aos alviverdes. Igor, Jadson e Rogério Corrêa marcaram.

No ano seguinte, a vingança. No Pinheirão, derrota por 1 a 0. Uma semana depois, na Arena da Baixada, Denis Marques balançou a rede e fez com que a partida fosse para os pênaltis. Vingando-se da decisão de 1978, o Atlético se deu melhor, vencendo por 4 a 2.

Agora resta saber quem entrará para a história dos artilheiros atleticanos em decisões de estadual. Basta ficar na torcida e na expectativa torcedor atleticano.

Confira a lista completa dos artilheiros dos Atletibas decisivos:

5 gols – Lilo;
2 gols – Ibarrola, Guará, Cireno, Joel, Dirceu, Adriano Gabiru, Nélio e Igor;
1 gol – Oscar, Batista, Jackson, Xavier, Milton Dias, Zé Roberto, Luisinho Netto, Alex, Wilson, Dedé, Gustavo, Jadson, Rogério Corrêa e Denis Marques e Berg (contra).



Últimas Notícias

Opinião

Céu e inferno

Qual a semelhança entre Casemiro Mior, Flávio Lopes, Heriberto da Cunha, Ricardo Drubscky, Leandro Ávila e Fabiano Soares? E entre Geninho, Antonio Lopes, Paulo Cesar…