30 abr 2009 - 0h29

Onze heróis e 22 mil guerreiros

Existem partidas que ficam marcadas eternamente na memória do torcedor. Para os atleticanos que compareceram na noite dessa quarta-feira na Baixada, o jogo contra o Corinthians é um exemplo clássico de uma partida que será lembrada para sempre. Invicto na temporada, o clube paulista vinha credenciado como franco favorito, com suas estrelas reconhecidas nacionalmente como Ronaldo, Chicão, Felipe, Dentinho. Mas se o Brasil inteiro esperava por mais um show de Ronaldo e Cia, o que se viu em campo foi um Atlético valente, voluntarioso, que aliava talento e raça em cada jogada, em cada dividida de bola. No final, o placar de 3 a 2 não traduziu o que foi de fato a partida, porque nesta quarta-feira na Arena da Baixada o que de fato se viu foi um grande show em vermelho e preto.

Para a torcida, a vitória teve um duplo sabor. O primeiro, evidentemente, de alegria, pela vitória e, consequentemente, por quebrar a invencibilidade corintiana na temporada. Mas também teve sabor de frustração, pois o time chegou a abrir 3 a 0 no placar e no finalzinho do jogo sofreu dois gols. Mas, a todos os atleticanos, fica a certeza: se o Atlético jogar sempre com esse espírito de guerreiro, pode surpreender muita gente.

Vamos, Furacão!

O jogo começou com o Atlético a mil por hora. Marcando bem e saindo em boas jogadas no ataque, a partida dava indícios de que o Atlético podia sim surpreender. Empurrado por sua fanática torcida, que mais uma vez protagonizou um belíssimo espetáculo nas arquibancadas, não demorou para o Furacão abrir o marcador. Aos 15 minutos, Rafael Moura avançou pela esquerda e cruzou rasteiro para o oportunista Wallyson de primeira chutar para fazer 1 a 0.

Era a senha necessária para o Caldeirão ferver de vez. A torcida se animou ainda mais e o time manteve o mesmo ímpeto, certo de que poderia ampliar a vantagem. A melhor chance do Corinthians veio aos 43 minutos, com Morais que dentro da área chutou para boa defesa de Galatto.

Três minutos depois, o Rubro-Negro deu o troco – e em forma de gol! Wallyson foi lançado pela direita e cruzou para Rafael Moura de cabeça fazer 2 a 0 no placar.

Viemos para vencer!

Na etapa final, logo aos 2 minutos, o Atlético ampliou o marcador. Na entrada da área, Márcio Azevedo chutou, a bola rebateu na zaga e sobrou para Chico fazer o terceiro gol atleticano.

O Furacão teve ainda outras boas chances de ampliar o marcador, principalmente com Marcinho, que exigiu boa defesa de Felipe.

Aos 14 minutos, o jogo deu mostras de que a vitória fácil poderia ter doses de drama. Em um polêmico pênalti assinalado pelo árbitro pernambucano Nielson Nogueira Dias, Chicão fez justiça e cobrou na trave.

Ao final do jogo, o Corinthians conseguiu diminuir o marcador. Aos 41, com Cristian, numa excelente cobrança de falta, e aos 47, com Dentinho.

Agora, o Atlético se prepara para outros dois jogos decisivos: no domingo, contra o Cianorte, quando se vencer conquista o título do Paranaense 2009, e na próxima quarta-feira, contra o Corinthians, no jogo da volta, no Pacaembu.

%ficha=702%



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Insanidade

Louva-se o posicionamento do CAP em relação à atitude insana, egoísta e manipuladora do Flamengo, que chegou ao ponto de utilizar-se da peste alcançar seus…

Camisa preta edição especial.

Opinião

Viva a revolução!

Eu sou corneta. Confesso! Se o time vai mal, sou o primeiro a reclamar. Se o time vai bem, tem que melhorar. Se ganhou de…

Notícias

A evolução do Athletico

É inegável a evolução do rubro-negro. Desde a mudança no comando técnico, o Furacão vem evoluindo a cada jogo. Atualmente acumula quatro vitórias consecutivas. Além…