7 maio 2009 - 0h24

Substituições não surtiram efeito

Após tomar o primeiro gol do Corinthians, o técnico Geninho começou a promover alterações no time atleticano. A primeira delas foi a saída do zagueiro Gustavo, para a entrada do volante Renan Foguinho. A intenção do comandante rubro-negro era melhorar a posse de bola no meio de campo, já que o armador Marcinho estava sobrecarregado. Contudo, a jovem revelação atleticana, em seu primeiro lance na partida, acabou cometendo o pênalti que originou o segundo gol corintiano.

A segunda alteração mudou o esquema tático, com a entrada do atacante Júlio César no lugar do volante Jairo. O contestado avante, que amargou o banco de reservas nos últimos jogos, entrou com vontade, mas não produziu nenhum lance efetivo no ataque.

A terceira e última mudança também foi no ataque. Jorge Preá substituiu Wallysson. O atacante, que veio do Palmeiras na negociação envolvendo o empréstimo do zagueiro Danilo, decepcionou em todas suas investidas ofensivas, não conseguindo justificar a confiança depositada por Geninho. Vale ressaltar que no Campeonato Paranaense, cujo nível técnico é menor do que o apresentado no Campeonato Brasileiro, Jorge Preá teve pouco destaque, participando de poucos jogos. Já o talismã Lima não estava no banco de reservas atleticano, devido o término de seu contrato.

Logo após o título paranaense, a diretoria anunciou que não promoverá a contratação de reforços, por entender que o elenco atleticano possui qualidade, além de ter que honrar com compromissos financeiros assumidos perante os atletas que atualmente compõem o plantel do técnico Geninho. O “investimento em chuteiras” propalado na campanha será realizado através da promoção ao time profissional dos destaques da Copa São Paulo.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…