22 maio 2009 - 10h25

Atleticanos comemoram 15 anos da volta à Baixada

A relação de amor, cumplicidade do torcedor atleticano com a Baixada é uma coisa rara de se ver no futebol. Uma relação talvez explicada pelo que significa o estádio para os atleticanos. Nesta sexta-feira, 22 de maio de 2009, completam-se exatos 15 anos da volta do Atlético ao estádio Joaquim Américo. A reinauguração do estádio, em 1994, marcou uma nova fase na vida do clube. O primeiro jogo foi contra o Flamengo, com o Furacão vencendo por 1 a 0, gol de Ricardo Blumenau.

Hoje, a Furacao.com relembra numa reportagem especial os anos longe da Baixada, a reforma no estádio e a sonhada volta para casa. Uh! Caldeirão!!!!!

A tristeza longe de casa

Primeiro campo de futebol de Curitiba, o estádio Joaquim Américo Guimarães nem sempre foi a casa do Atlético Paranaense. Inaugurado oficialmente em 06 de setembro de 1914, na derrota do Internacional por 7 a 1 para o Flamengo, com um público de 3 mil espectadores, a Baixada do Água Verde (como o local era conhecido na época) foi por muito tempo o principal estádio de futebol da cidade.

No entanto, em 1986 o local abriu suas portas pela última vez para sediar uma partida de futebol. Em 14 de julho de 1986, o Atlético fazia então o seu último jogo na Baixada antes de se mudar para o Pinheirão, com um empate em 0 a 0 contra o Cascavel. O público presente na partida foi de 1.602 pessoas. A intenção da diretoria atleticana na época era construir no lugar do estádio a sede social do clube.

Foram oito anos longe da Baixada. Anos de sofrimento, tensão e vários momentos difíceis para o Rubro-Negro. No lugar da pressão e da relação mística que sempre existiu na Baixada, os atleticanos tiveram que conviver com uma “casa” fria, com pouca visibilidade e péssimas condições de acomodação. Definitivamente, o Pinheirão nunca foi a verdadeira casa do Atlético Paranaense.

Em 1992, quando já eram passados seis anos de sofrimento para a torcida atleticana no Pinheirão, o então presidente José Carlos Farinhaque percebeu o equívoco que havia sido cometido em levar o Atlético e a sua imensa torcida para o estádio da Federação. Farinhaque e toda a diretoria rubro-negra resolveram que o Atlético voltaria para sua casa e aproximaria novamente a torcida do clube.

Mas a volta para casa não foi imediata. O clube promoveu uma ampla reforma no Joaquim Américo, que durou 2 anos. No total, foram gastos 2 milhões de dólares na reforma do estádio. Um trabalho que envolveu 250 operários, 300 mil tijolos e 10 mil sacos de cimento. Num projeto grandioso para o Atlético da época, foi construído o famoso “tobog㔠nas arquibancadas e o estádio foi reinaugurado com capacidade para 20 mil torcedores.

Emoção e festa na volta para casa

Foram 7 anos, 11 meses e 8 dias longe de casa. Mas em 22 de maio de 1994, enfim, a torcida atleticana teve a satisfação de ver o seu sonho realizado: o Atlético voltava, enfim, para a Baixada.

O dia 22 de maio de 1994 foi um sábado ensolarado na capital paranaense. Mas não era um dia qualquer. Em todos os bairros da cidade, o clima estava diferente, numa imensa expectativa de todos os torcedores para a reinauguração do novo Joaquim Américo.

A saudades de casa era imensa. Tanto, que enormes filas se formaram para a compra dos ingressos para o amistoso contra o Flamengo, que marcaria a reinauguração da Baixada. O adversário tinha estrelas como Nélio, Valdeir e Sávio. Já o Atlético era um time limitado, que tinha João Carlos Cavalo como principal candidato a ídolo da torcida.

Torcedores fizeram fila por ingresso da reinauguração [foto: arquivo]

Mesmo assim, a torcida foi confiante, naquele sábado para a novíssima Baixada. Não importava quem estava vestindo a camisa do Atlético; importava, sim, ver de novo o velho pinheiro no gol dos fundos, a curva da laranja e as cadeiras apelidadas de Farinhacão (uma homenagem ao presidente José Carlos Farinhaque, que reconstruiu o estádio e o entregou para Hussein Zraik inaugurar).

Uma hora e meia antes do jogo começar, centenas de crianças vestindo o manto vermelho e preto paranaense desfilavam pelo gramado cantando o hino do Furacão. Bandeiras espalhadas pelo gramado contavam a história do clube pelas camisas usadas pelo Rubro-Negro. Na festa, foram homenageados o ex-goleiro Alfredo Gottardi, o Caju, o ex-presidente do clube, Rubens Passerino Moura, e o ex-governador Ney Braga, que representou todos os abnegados atleticanos que colaboraram com a reforma do estádio. O maior artilheiro da história do clube, Barcímio Sicupira, também foi lembrado na festa, recebendo uma placa comemorativa.

Mais de 15 mil pessoas compareceram ao jogo. O Atlético com o tradicional uniforme rubro-negro e o Flamengo vestindo o uniforme número dois começavam a duelar pelo troféu "Volta à Baixada". No primeiro tempo foram poucas as chances de gol. O Atlético, apático, ainda não tinha encarnado o espírito do novo estádio.

Nem mesmo João Carlos Cavalo, que durante toda a semana havia prometido um gol, cumpriu a promessa. E chance foi que não faltou: Cavalo perdeu um pênalti logo na inauguração. O lateral Antônio César puxou o contra-ataque e foi derrubado por Henrique dentro da área. João Carlos tomou pouca distância e, convicto que marcaria, chutou fraco para a defesa do goleiro Adriano.

No segundo tempo, o técnico Zequinha fez uma mexida geral e colocou em campo Serginho, Almir, Ricardo Blumenau e Willian. O ataque ficou mais veloz e o Furacão começou a pressionar.

Aos 42 minutos, veio o gol da vitória atleticana: Ricardo Blumenau recebeu o cruzamento da direita e completou para fazer um de seus únicos gols e talvez o mais importante da carreira como profissional, justamente em sua estreia no Furacão.

Amistoso – (22/05/94) – Atlético 1 x 0 Flamengo
L: Joaquim Américo; H: 16h; A: Julião Queirolo; CA: Luiz Cláudio, Gélson Baresi, Charles Baiano e Régis; G: Ricardo Blumenau aos 42 do 2º.

ATLÉTICO: Gimar (Bira); Luiz Cláudio (Serginho), Jadir, Paulo César e Antonio César (Gune); Ademir Fonseca, Leomar (Rudinei) e João Carlos Cavalo (Almir); Dedé (Ricardo Blumenau), Assis (Chicão) e Émerson (Willian). T: Zequinha.

FLAMENGO: Adriano; Henrique, Gelson Baresi, Índio e Marcos Adriano; Charles Guerreiro, Hugo, Nélio e Valdeir (Paulo Nunes); Charles Baiano e Sávio. T: Sebastião Rocha.

Fonte: Hot Site dos 80 anos do Atlético, publicado pela Furacao.com



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…