17 jul 2009 - 18h21

Atletiba marcará o reencontro de "irmãos" Waldemar e René

Poucas vezes um clássico Atletiba reuniu amigos tão próximos trabalhando como técnicos de Atlético e Coritiba. No passado recente, por muito pouco não houve um confronto familiar. Antonio Lopes dirigia o Atlético em 2005, enquanto seu filho Lopes Júnior trabalhava no Coxa. Porém, o Furacão acabou demitindo Lopes antes do Atletiba e o esperado confronto familiar não ocorreu.

No próximo domingo, dois amigos muito próximos estarão em lados opostos. Waldemar Lemos de Oliveira, do Atlético, e René Simões, do Coritiba, não escondem a forte amizade. Os dois se conhecem há mais de vinte anos. Foram apresentados pelo irmão mais velho de Waldemar, o também técnico Oswaldo de Oliveira. A convite de René, Waldemar Lemos iniciou sua carreira no futebol profissional, compondo a comissão técnica do Mesquista. "Ele começou trabalhando comigo em 1984, é um treinador extraordinário, um cara que consegue ir dentro do jogador e fazer o jogador dar 100%", elogiou René Simões durante esta semana.

"Comecei a trabalhar com ele, em 1985. Foi o meu primeiro trabalho como profissional de futebol, na comissão técnica. Foi no Mesquita, no Rio de Janeiro, na segunda divisão. Foi um dos trabalhos mais difíceis e mais bonitos da minha vida, e tenho certeza que da dele também, e das nossas famílias também. Essa equipe foi classificada para a primeira divisão do Rio de Janeiro em 1985", lembrou Waldemar na entrevista coletiva concedida nesta sexta-feira no CT do Caju.

A relação profissional virou pessoal e hoje as famílias Oliveira e Simões cultivam a amizade. "Eu só tenho a agradecer a ele. Uma amizade muito boa, nossas filhas têm amizade, nossas esposas têm amizade, é uma coisa muito antiga, muito legal", completou o técnico rubro-negro.

Antes de dirigir o Atlético, Waldemar trabalhou no Harbour View, da Jamaica, e no Náutico. Para os dois clubes, foi indicado por René Simões. "É uma coisa de irmão. Eu o considero muito, ajudou muito na minha vida, agradeço a tudo o que eu tenho na vida profissional a ele e algumas coisas que ele me ajudou na vida também. Agradeço demais", disse.

Repetição

Perguntado por um repórter sobre de que maneira usaria seu conhecimento sobre René Simões para ajudar o Atlético, Waldemar deu um sorriso: "Ah, isso eu não posso falar".

De todo modo, na última vez em que se enfrentaram, o atleticano levou a melhor, vencendo o jogo por 3 a 2. "Nós já tivemos outra oportunidade, eu trabalhando no Paulista e ele no Coritiba, jogamos contra lá em São Paulo e foi um ótimo jogo, um belo jogo, espero que aconteça isso no domingo. Nossa amizade é muito forte, vai continuar sempre, de uma maneira ou de outra", garantiu.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…