22 jul 2009 - 23h00

Peixe afoga o Atlético na Vila

O Atlético Paranaense perdeu mais partida fora de casa no Campeonato Brasileiro. Dessa vez o fiasco foi contra o Santos, no litoral paulista. O time comandado por Waldemar Lemos não assustou o Peixe e volta para Curitiba na rabeira da tabela de classificação. Agora o clube espera pelo Avaí, sábado, na Baixada.

O dono da casa começou o jogo um pouco nervoso, errando passes. O Atlético marcava a saída de bola, dificultando a construção de jogadas. Até a metade do primeiro tempo, o domínio do jogo era rubro-negro, sem que isso se transformasse em arremates a gol. A melhor chance no primeiro tempo veio num cruzamento do volante Rafael Miranda. Ele se desprendeu pela esquerda e tocou para o atacante Wallysson, mas a zaga santista interceptou, cedendo escanteio.

O Santos só chegou com perigo aos 16 minutos, numa bola aérea cabeceada para fora pelo atacante Róbson. Na segunda metade do primeiro tempo, um lance foi crucial para mudar o panorama da partida. Aos 28 minutos, após o beque Rafael Santos recuar uma bola, o goleiro Vinícius deu um grande susto na torcida ao sair jogando errado, dando um passe para o avante do Santos que não conseguiu dar sequência na jogada e desperdiçou uma grande chance.

Depois disso, o que se viu foi um Atlético acuado em campo, cometendo faltas em demasiao.

O Santos voltou a chegar com perigo aos 33 minutos. Após tabela entre o lateral-esquerda Léo e o armador Mádson, a bola foi cruzada da esquerda e o atacante Roni cabeceou por sobre a meta.

Só no primeiro tempo, o Furacão foi advertido com o cartão amarelo quatro vezes: Nei, Márcio Azevedo, Rhodolfo e Rafael Miranda. Os três primeiros estão fora do confronto contra o Avaí.

Segundo tempo

No intervalo de jogo, o Santos promoveu duas alterações. Entraram Neymar e Paulo Henrique, para saída de Róbson e Roberto Brum, respectivamente. Tal qual no primeiro tempo, o Atlético começou a marcar o Santos em seu próprio campo, dificultando a criação de jogadas do alvinegro praiano.

Aos 5 minutos, o lateral-esquerda Márcio Azevedo cruzou da esquerda e Paulo Baier cabeceou sem perigo. O Santos passou a dominar e aos 13, Madson cruzou da esquerda e Paulo Henrique não dominou, facilitando o trabalho do arqueiro Vinícius.

Um minuto depois, Rafael Moura tentou de voleio, após cruzamento de Marcinho.

Mas foi depois de outra pixotada do goleiro Vinícius, que o Furacão se arrefeceu. O goleiro atleticano bateu roupa depois de uma falta, deixando a zaga em polvorosa para posterior alívio. A partir deste momento, o Santos foi só pressão, enquanto que o Atlético, sem personalidade, recuou.

Aos 20 minutos, o estreante Luxemburgo tirou o lateral-direita Luizinho, para a entrada de Pará. Aos 26 minutos, um prenúncio do que aconteceria: com espaço, Neymar chuta de fora da área e leva perigo à meta rubro-negra.

Seis minutos depois, Wallyson deu lugar a Patrick. E, aos 27 minutos após tabelar com Roni, o jovem Neymar não teve dificuldades para abrir o placar.

Sem forças para chegar ao empate, restou ao Atlético apenas se defender.

%ficha=717%



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…