5 ago 2009 - 17h11

Enderson Moreira, campeão da Copa SP, é o novo técnico

O novo técnico do time júnior do Atlético é Enderson Alves Moreira, de 38 anos e treze anos de experiência como treinador de futebol. Ele chega ao Atlético para assumir o lugar de Marquinhos Santos, que pediu demissão para ir trabalhar no Coritiba. Nesta terça, o coordenador das categorias de base Ricardo Drubscky disse que o Atlético já havia encontrado um substituto. Hoje, o presidente Marcos Malucelli revelou à jornalista Nadja Mauad que o novo técnico é Enderson Moreira, que estava no América Futebol Clube, de Minas Gerais.

O Rubro-Negro respondeu a ofensiva do Coritiba ao seu treinador de juniores à altura. O novo técnico atleticano é um multicampeão. Enderson já conquistou a Copa São Paulo de Juniores e o Campeonato Brasileiro Sub-20, ambos em 2007, títulos inéditos na história do Cruzeiro. No mesmo ano, foi vice-campeão da Taça BH, perdendo o título nos pênaltis. Durante dois anos, o Cruzeiro de Enderson Moreira não perdeu nenhuma partida em competições de nível nacional. Além disso, foi o responsável pela revelação de jogadores como Guilherme, Jonathas, Wellington e Rafael.

Enderson Moreira também tem experiência no futebol profissional. Ele foi auxiliar técnico do Ipatinga e técnico do próprio Ipatinga e o América – este último, interinamente. Fora das quatro linhas, tem atuação acadêmica com a produção de artigos sobre futsal e futebol e como professor convidado de cursos sobre preparação esportiva.

Carreira

Enderson nasceu em 28 de setembro de 1971. Ele chegou a ser jogador de futebol, mas parou de atuar ainda na categoria júnior. Depois de se graduar em Educação Física pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), ele iniciou sua carreira como professor do Colégio Magnum, em Belo Horizonte, conquistando resultados expressivos no futsal e chegando até a função de professor-coordenador. Em 1995, iniciou sua trajetória no futebol de campo como preparador físico do América. O técnico da equipe era Ricardo Drubscky, hoje coordenador do departamento de formação do Atlético. O Coelho foi campeão da Copa São Paulo de Juniores, a competição mais importante da categoria no país, em 1996

Depois, Enderson Moreira foi técnico dos times juniores do Sete de Setembro e do Santa Tereza. Em 2000, voltou ao América, desta vez para comandar a equipe juvenil. Com o bom trabalho, recebeu um convite para dirigir o time juvenil do Atlético Mineiro, em 2004. Dois anos depois, tornou-se técnico do time júnior do Cruzeiro, onde obteve vários títulos – além dos já citados, conquistou ainda o bicampeonato do Torneio de Amsterdam e a Copa Den Haag, na Holanda. Só deixou a Raposa em função de uma reformulação no departamento amador do clube.

No ano passado, ele foi chamado por Ricardo Drubscky para ser seu auxiliar técnico no time profissional do Ipatinga. Com a má campanha da equipe no Brasileirão, Drubscky acabou substituído por Márcio Bittencourt, que resistiu só 10 rodadas e foi demitido. Para o seu lugar, o time mineiro apostou em Enderson, que retornou, desta vez como treinador. Não evitou o rebaixamento para a Série B, mas foi mantido no cargo. Porém, após os maus resultados no Campeonato Mineiro foi demitido em fevereiro. Logo em seguida, voltou ao América, novamente para dirigir o time júnior. A última conquista foi em junho: a Copa Integração Cidade de Belo Horizonte (uma espécie de Copa Tribuna dos mineiros), vencendo o Cruzeiro na decisão e com uma campanha de 14 vitórias, dois empates e duas derrotas.

Reconhecimento

Enderson Moreira é reconhecido hoje como um dos principais treinadores de categorias de base do Brasil. De acordo com o site Olheiros, especialista na cobertura do futebol de base, seu trabalho no Cruzeiro foi um dos mais destacados nos últimos anos. “O sucesso também foi o pontapé inicial do trabalho razoavelmente curto, porém vitorioso, de Enderson Moreira na base celeste. Em pouco menos de dois anos, sob o comando do técnico os juniores do Cruzeiro estiveram invictos nacionalmente e levaram cinco títulos de expressão, com a Copinha ao lado do Brasileiro Sub-20. Foi o bicampeonato do técnico, que já havia vencido a competição como preparador físico em 1996, com o América Mineiro, derrotando o próprio Cruzeiro na final”, relatou o site em recente reportagem.

Em outra ocasião, o Olheiros destacou o bom trabalho de Enderson no espetacular ano do Cruzeiro em 2007: “Os resultados celestes foram uma junção da fome com a vontade de comer. O Cruzeiro tinha uma geração excelente chegando ao momento crucial de estourar e precisava de um comandante. Enderson Moreira, com passagens vitoriosas pelas bases de América e Atlético, queria um novo desafio. E em outubro de 2006, começou a preparar a safra para a hora da colheita”.

O bom trabalho conquistou o respeito dos torcedores. “Enderson Moreira foi estrategista. Mudou a formação da equipe em função do adversário. Em todos os jogos experimentou mudanças táticas para se aproveitar das circunstâncias das partidas. Grande revelação”, escreveu em seu blog o sociólogo Jorge Santana, autor do livro do Cruzeiro da Coleção Camisa 13. No ano passado, quando o técnico foi demitido, Santana revelou seu espanto: “Inacreditável! A cartolagem do Cruzeiro demitiu o multicampeão da base, Enderson Moreira, o maior formador de talentos surgido no Cruzeiro desde que Osvaldo Rossi se aposentou. E ganhador de títulos inesquecíveis com o time de juniores”.

Mais recentemente, foi apontado como por Chico Maia, colunista do jornal O Tempo, como a melhor opção para assumir o comando do time profissional do América: “Enderson Moreira é uma promessa e pode se dar bem no comando do time. Estudioso do futebol, passagens brilhantes pelas bases do Cruzeiro e do próprio América, merece tratamento especial da torcida nessa oportunidade no comando do Coelho”.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…