11 ago 2009 - 23h24

Uma chance para Neto

O maior jogador da história do Atlético é Alfredo Gottardi, o Caju, também conhecido como “a majestade do arco”. Desde que jogou no Atlético e marcou época no clube, Caju deixou uma espécie de legado: apenas grandes goleiros poderiam passar pelo clube. O tempo foi passando e essa sina foi se tornando cada vez mais verdade. A lista de grandes goleiros que já vestiram a camisa número um do Atlético é extensa. Nomes como Laio, Roberto Costa, Marolla, Ivan, Gilmar, Rafael, Altevir, Ricardo Pinto, Flávio, Diego comprovavam essa teoria e são lembrados com carinho pelos atleticanos, dos mais antigos aos mais novos. É uma relação quase mágica. No gol em que Alberto Gottardi passou para seu irmão Caju fazer história ficou uma espécie de tradição: apenas os grandes goleiros teriam o privilégio de defender o Atlético. Missão que neste domingo o jovem goleiro Neto, de apenas 20 anos e 1,91 m de altura, irá experimentar pela primeira vez.

Contra o Barueri, no próximo domingo, Neto fará a sua estreia no time titular do Atlético. Promovido recentemente a goleiro reserva do time, ele ganha a chance devido à suspensão do titular, Galatto, que levou na última rodada o terceiro cartão amarelo. Uma oportunidade que vem junto com a confiança do goleiro titular. “A receptividade dos outros três goleiros é ótima. Tanto que depois do jogo (contra o Botafogo) o Galatto veio me cumprimentar e disse: ‘confio em você, só não pegue muito senão você me derruba’”, revelou, mostrando o clima de amizade e também de confiança que existe em sua estreia.

Não escondendo a felicidade, Neto diz que a chance veio na hora certa. “Sentimento de felicidade, venho trabalhando quase 7 anos no clube esperando essa oportunidade. Não tem momento melhor, a gente vem de três vitórias fora de casa, agora reencontrando a torcida, a confiança está lá em cima”, disse. No entanto, é claro que a ansiedade em jogar pela primeira vez como titular do time profissional do Atlético, em plena Arena da Baixada, traz um certo nervosismo, o conhecido friozinho na barriga. “O nosso grupo é muito unido, tanto os mais velhos como os mais novos tem liberdade para conversar. Isso te deixa mais seguro. Mas é claro que o frio na barriga da estreia existe”, disse.

Para os atleticanos que não conhecem ainda o seu trabalho, Neto se apresenta destacando suas principais virtudes em campo: “A tranquilidade e saber conversar com os companheiros. Na hora que precisar saber que posso ajudar”, revela.

Do infantil ao profissional

Norberto Murara Neto, ou Neto, nasceu em Araxá (MG) em 19 de julho de 1989. Começou a carreira de atleta no Cruzeiro (MG) e aos 14 anos (no ano de 2003) chegou no Atlético, para defender o time Infantil do clube. De lá para cá, são seis anos de trabalhos em todas as categorias de formação do Rubro-Negro, conquistando uma vasta relação de títulos pela base atleticana.

Na galeria de títulos, ele conquistou o Metropolitano Infantil, a Copa Brasil Sub-15, o Paranaense Juvenil, Metropolitano Juvenil, Copa Umbro Infantil e duas Copas Tribuna – uma delas em 2009, quando recebeu também o troféu de goleiro menos vazado do torneio.

Clique aqui e saiba mais sobre o perfil de Neto, goleiro que estreia neste domingo como titular no Furacão.

Colaboração: Thaylise Galle e Julia Abdul-Hak



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…