22 jan 2010 - 9h56

Atlético tenta se blindar da “Baier-dependência”

Sem Paulo Baier, o Atlético é um time irreconhecível e, pior, facilmente vencível. A constatação dos torcedores nas arquibancadas da Arena ganha reforço da matemática. Desde a chegada do meia no clube, no ano passado, a ausência de Paulo Baier em campo é sinônimo de ausência de vitórias para o Rubro-Negro. Mas como o atleta só deve retornar aos gramados na segunda fase do Campeonato Paranaense, o grande desafio do técnico Antônio Lopes e do time atleticano é tentar superar essa “Baier-dependência”.

Além da ausência de vitórias, sem Paulo Baier o time atleticano perde em dois pontos fundamentais: qualidade (já que Paulo Baier é, indiscutivelmente, o melhor jogador hoje em atividade no futebol paranaense) e liderança, pois sempre coube ao “capitão” a função de comandar a equipe dentro das quatro linhas.

No item “liderança” as apostas de Lopes são em dois atletas experientes e conhecidos da torcida: a dupla de volantes Valencia e Alan Bahia. Coube a Alan Bahia a função de comandar o time dentro de campo na última quarta-feira, quando ele fazia a sua reestreia no Rubro-Negro. A partir de sábado, a expectativa é de que Valencia, outro atleta com um grande carinho dos torcedores, divida com Alan essa responsabilidade, pois ele deve voltar ao time contra o Serrano.

No quesito qualidade, entretanto, a dificuldade é bem maior. Para os torcedores e a própria imprensa esportiva fica evidente que hoje não há, em nenhuma equipe do futebol paranaense, um atleta com o mesmo nível de qualidade de Paulo Baier. E as opções que Lopes dispõe até agora não renderam muito efeito. Contra o Operário, enquanto esteve em campo, o meia Netinho teve uma apresentação razoável, inclusive sendo o autor do gol do Furacão. No segundo tempo cansou e deu lugar a Kaio, que fez uma partida muito ruim. Outra opção de Lopes é o meia Tartá, que ainda não estreou e deve levar algumas semanas para entrar no time, pois precisa entrar em forma.

A tendência, pelo menos neste início, é que Netinho seja mantido no time na meia-cancha. “O Netinho foi o armador da equipe da forma que queríamos. O Paulo (Baier) é um jogador experiente e claro que faz falta. Deixamos a cargo do Alan Bahia também ajudar o Netinho na armação e na liderança em campo”, disse Lopes após a derrota para o Operário. O treinador ainda destacou que a ausência de Baier não pode influenciar no comportamento da equipe em campo. “Todos nós sabemos e os jogadores também sabem que ele é uma peça importante pela presença e qualidade dele. Mas não acho que isso teve uma influência psicológica”, afirmou.

Tratamento

Em entrevista à gazeta do Povo, o diretor médico do Atlético, Edilson Thiele, revelou que Baier está fazendo um tratamento intensivo em três períodos, mas que o período de cicatrização é de quatro a seis semanas – período que o departamento Médico atleticano não acredita que irá ser reduzido, apesar dos esforços do atleta.

“Paulo já melhorou muito em relação ao dia do exame (segunda-feira), mas está muito longe de voltar a jogar. A lesão dele tem um prazo de quatro a seis semanas de cicatrização e seguirá trabalhando pela manhã, à tarde e na parte da noite. Ele e os demais só serão liberados no momento certo, sob o critério clínico”, salientou Thiele.

Com isso, é muito provável que Baier só retorne ao time na segunda fase do Estadual. Vale lembrar que a primeira fase do Campeonato Paranaense dá vantagens aos dois times melhor classificados, com a bonificação de dois e um ponto extras, respectivamente ao primeiro se segundo colocado, além da vantagem do Supermando à equipe com melhor campanha.

A “Baier-dependência” em números

No Brasileiro do ano passado, Paulo Baier esteve ausente em quatro partidas – quando o Atlético perdeu três e empatou uma (justamente a última, contra o Barueri), num péssimo aproveitamento de 8%. Com ele no time, a situação mudou e o aproveitamento da equipe era de 54% (13 vitórias, sete empates e nove derrotas).

A sina se manteve neste início de temporada. Enquanto ele atuava no jogo contra o Toledo, o Atlético vencia por 1 a 0. Bastou Paulo Baier sair que o time sofreu pressão e permitiu o empate do time do Oeste. Na última quarta-feira, na Baixada, um resultado ainda pior: derrota para o Operário, por 2 a 1.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…