3 fev 2010 - 21h50

Furacão goleia e encosta na vice-liderança

O Atlético goleou o Cianorte por 4 a 1 na noite desta quarta-feira, em jogo válido pela sexta rodada do Campeonato Paranaense 2010. Com o resultado, o Furacão se aproximou da vice-liderança do certame. O time tem 11 pontos e está provisoriamente em segundo lugar – considerando o aproveitamento, o Rubro-Negro é o quarto colocado, atrás de Coritiba, Corinthians Paranaense e Iraty.

Foi o melhor jogo do Atlético neste ano. Mesmo tendo goleado o Serrano por 8 a 0, a equipe ainda não havia jogado de maneira tão convincente. Coincidência ou não, foi o primeiro jogo depois da pré-temporada, encerrada em janeiro. A atuação foi boa especialmente no segundo tempo, quando a torcida aplaudiu lances de velocidade, tabelas e jogadas ofensivas empolgantes – itens raros nos primeiros jogos do ano.

Mesmo não tendo jogado bem no primeiro tempo, o Furacão comandou o jogo desde o início. Com a defesa bem postada e a postura defensiva do Cianorte, a equipe construiu a vitória a partir da bola parada de Netinho. Foi dessa maneira que saíram os dois primeiros gols. Aos 12, Netinho cobrou escanteio da esquerda e Rhodolfo cabeceou para o fundo da rede. Aos 28, Netinho bateu da direita e o outro zagueiro, Manoel, desviou para o gol.

Com 2 a 0 no marcador, o Atlético aproveitou o desespero do Cianorte e passou a jogar no contra-ataque. Porém, o time não conseguiu encaixar nenhum bom lance. Aos 42, saiu o terceiro gol. Bruno Mineiro tentou dar um passe de calcanhar, mas a bola bateu num zagueiro e voltou para ele. Mostrando faro de artilheiro, o camisa 11 não teve dúvida: chutou de fora da área, a bola desviou – no mesmo zagueiro! – e enganou o goleiro. “Quem não chuta não faz”, resumiu o atacante no intervalo, comemorando seu terceiro gol no Estadual.

Bom futebol

Com a vantagem no marcador, o Atlético tratou de usar o segundo tempo para mostrar um bom futebol. Alex Sandro foi mais eficiente na esquerda, formando boa dupla com Márcio Azevedo. Netinho e os atacantes Marcelo e Bruno Mineiro também participaram de vários lances.

Aos 10 minutos, o jovem Marcelo fez o gol mais bonito do jogo. Ele recebeu na direita, cortou para o meio, passou por dois zagueiros e bateu de canhota, acertando o ângulo da meta defendida pelo goleiro Rai. Um lindo gol, mais um para o currículo do avante, que já havia feito um golaço contra o Serrano.

Antonio Lopes aproveitou para mudar o time e descansar alguns jogadores. Chico entrou no lugar de Alex Sandro e voltou a atuar na sua posição original, depois de fazer alguns jogos como zagueiro. Depois, foi a vez de Serna substituir Marcelo. Vanegas quase fez sua estreia quando Manoel se lesionou e foi atendido fora do gramado. O zagueiro colombiano chegou a ser chamado por Lopes, mas Manoel voltou a campo e não quis ser poupado.

Melhor para Tartá, que acabou entrando no lugar de Netinho. Diga-se de passagem, o camisa 10 foi aplaudido e teve seu nome gritado pela torcida quando deixou o gramado. Quem também teve uma atuação destacada foi o zagueiro Rhodolfo, outro jogador objeto de muitas críticas da torcida.

Bruno Mineiro, muito esforçado, tentou marcar mais um, mas errou dois lances por falta de mira. Antes disso, Netinho também chegou a arrancar um grito de gol de alguns torcedores em cobrança de falta, que passou raspando.

O jogo parecia definido quando Leandro, aos 43 minutos, arriscou de fora da área e marcou um belo gol. Neto ficou sem reaçado. O curioso é que a torcida atleticana aplaudiu o bonito gol do time do interior. Logo depois, o Atlético fez uma linda jogada que culminou na conclusão de Tartá nos pés do goleiro Rai. Serna também teve uma chance na pequena área, mas cabeceou para fora.

%ficha=750%



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…