7 fev 2010 - 18h52

No primeiro clássico de 2010, Furacão bate o Paraná na Vila

O Atlético venceu o Paraná Clube por 1 a 0 na Vila Capanema na tarde deste domingo, na sétima rodada do Campeonato Paranaense 2010. Com a vitória, o Furacão se consolidou na vice-liderança da competição, com 14 pontos, e confirmou a hegemonia na casa do rival – desde a reinauguração da Vila, em 2006, o Atlético não perdeu lá para o Paraná.

O jogo começou equilibrado. Nenhum dos dois times partiu para cima, adotando uma certa cautela talvez em função do forte calor de Curitiba. Aos 4 minutos, o Paraná teve uma boa chance em avançada pela esquerda de Guaru, mas Neto fez duas boas defesas. O Atlético respondeu aos 18, quando Netinho arrematou de fora da área e Juninho espalmou para escanteio.

O primeiro gol saiu aos 23 minutos. Chico, substituto de Alex Sandro, cruzou da esquerda e Bruno Mineiro não precisou nem saltar para cabecear. A bola entrou no canto esquerdo do goleiro paranista.

Logo depois, o árbitro Adriano Milczvski parou o jogo, seguindo determinação prévia da FPF, para que os atletas pudessem se hidratar. A interrupção parece não ter sido suficiente para os jogadores esfriarem a cabeça. No retorno, houve faltas duras de ambos os lados. Valencia chegou a ser advertido com um cartão amarelo.

O ritmo do jogo diminuiu na metade final do primeiro tempo. O Paraná só ameaçou aos 48 minutos, em uma cobrança de falta de Marcelo Toscano, para fora.

Expulsão, pênalti perdido e teste para a defesa

O segundo tempo serviu de teste para a defesa atleticana. Ficou clara a orientação para que a equipe adotasse uma postura mais cautelosa, aguardando o Paraná vir para cima para buscar os contra-ataques. Mas as chances de gol foram muito poucas.

As únicas jogadas ofensivas foram nos minutos iniciais da etapa final. Aos 8, o atacante Marcelo fez uma linda jogada. Ele driblou o zagueiro Diego Correia, que ficou caído, entrou na área, mas bateu em cima do goleiro Juninho, perdendo a chance de marcar um golaço. Dois minutos depois, Alan Bahia tabelou com Netinho, recebeu de Bruno Mineiro e bateu no canto, mas o goleiro paranista fez firme defesa.

O Paraná respondeu aos 20 minutos. Guaru chutou da intermediária, a bola desviou em Gerônimo e obrigou Neto a fazer uma grande defesa. A parada técnica ocorreu aos 23 minutos, permitindo aos jogadores um descanso e aos técnicos uma nova orientação aos times.

O atacante paranista Marcelo Toscano já havia tentado cavar dois pênaltis – um aos 31 minutos do primeiro tempo e outros aos 14 do segundo. Aos 28, ele finalmente conseguiu. Em um cruzamento da esquerda, ele se enroscou com Manoel e convenceu o árbitro a marcar a penalidade máxima. O zagueiro recebeu o cartão amarelo, e revoltou o time atleticano. Por reclamar, Valencia foi expulso. Na cobrança do pênalti, Toscano deu uma paradinha, Neto não caiu e a bola acabou indo na trave.

Com um a menos, o Atlético se retrancou e viveu os primeiros momentos de dificuldade no jogo. Mas a pressão desordenada do Paraná consagrou o sistema de marcação do Atlético. Antonio Lopes fez a primeira alteração aos 35, com a entrada do lateral-direita Raul no lugar do atacante Marcelo. Logo depois, Serna substituiu Bruno Mineiro. Aos 48, Vanegas entrou no lugar de Netinho, mas só para parar o jogo.

O término do jogo coincidiu com o início de uma forte chuva na Vila Capanema, fazendo com que a torcida atleticana tivesse de deixar o estádio às pressas, já que os lugares não têm cobertura.

%ficha=751%



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…