18 fev 2010 - 22h20

Tartá: “Ambiente é o melhor possível”

Autor de dois gols na vitória sobre o Engenheiro Beltrão, nesta quinta-feira, na Arena da Baixada, o meia Tartá não escondeu a felicidade em estrear com gols na primeira partida como titular na equipe do técnico Antonio Lopes. “Desde o primeiro tempo ele me disse que eu tinha liberdade e o pessoal sempre confiou em mim. Foi meu primeiro jogo como titular, ainda tem aquele friozinho na barriga, mas no decorrer do jogo fui ficando mais tranquilo”, resumiu.

Depois de um primeiro tempo com várias chances desperdiçadas, a equipe voltou para a etapa final com bastante determinação e logo começou a construir a vitória por 3 a0. “Treino é lugar de errar, aqui é lugar de acertar. No segundo tempo conversamos e o professor acertou o nosso posicionamento. Impomos o nosso ritmo e graças a Deus saímos com a vitória”, comemorou o meia.

Indagado sobre a preocupação com a distância de pontos em relação ao Coritiba, Tartá desconversou e preferiu apostar na individualidade atleticana. “Contar com tropeços do rival é complicado, não sabemos o que se passa lá. Então o negócio é trabalhar firme aqui e ganhar os nossos jogos. O que tiver que acontecer, que seja o melhor pra gente”, comentou.

Mesmo com a boa partida realizada nesta quinta-feira, Tartá ainda não sabe se continuará como titular na equipe, mas garante estar à disposição do Delegado. “Sou mais uma opção para o time. O elenco é cheio de jogadores, cada um com a sua qualidade. Então isso é bom para o treinador, que tem mais opções. Me acolheram muito bem e só tenho que respeitar os outros que também estão trabalhando para ter uma vaga no time”, ressaltou.

Por fim, Tartá falou sobre o ambiente atleticano, qual considera fundamental para o bom desempenho dos atletas. “O ambiente é o melhor possível. Não tem o que falar, desde a diretoria, comissão técnica, pessoal da assistência, da cozinha, em todos os cantos. Todo mundo me trata bem, o ambiente é maravilhoso e isso só vem a ajudar o jogador”, finalizou.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…