16 abr 2012 - 19h10

Guerrón tem média superior a um gol por jogo

O atacante Guerrón demonstra a cada dia que está em grande fase. Apesar de ter ficado de fora do time no início do Campeonato Paranaense, o equatoriano foi, aos poucos, ganhando espaço na equipe de Carrasco e, hoje, é o artilheiro do Atlético em 2012, com 11 gols marcados em 9 jogos.

Guerrón estreou na temporada somente no segundo turno do estadual, na vitória por 5 a 0 sobre o Operário, no dia 3 de março. O atacante entrou no segundo tempo, no lugar de Bruno Mineiro, e marcou seu primeiro gol no ano.

Depois disso, ficou de fora do jogo de ida contra o Sampaio Corrêa, pela primeira fase da Copa do Brasil, mas voltou a entrar no segundo tempo da partida contra o Rio Branco, na Vila Capanema. Nessa partida, porém, passou em branco.

No jogo de volta contra a equipe maranhense, Guerrón também entrou no segundo tempo, mas o único gol da partida – e que garantiu a classificação do Furacão – foi marcado por Marcinho.

Desde então, o jogador se firmou como titular, assumindo a camisa 7 atleticana. Contra o Roma, em Apucarana, marcou o único gol do Rubro-Negro, garantindo o empate por 1 a 1. Já contra o Cianorte, no Durival Brito, fez 2 gols na vitória por 3 a 0. Contra o Toledo, no Estádio 14 de Dezembro, ficou de fora e retornou sem marcar gols na vitória sobre o Iraty.

Mas foi na Copa do Brasil que o equatoriano se mostrou decisivo. No jogo de ida contra o Criciúma, no Heriberto Hülse, Guerrón marcou dois gols, garantindo a vitória por 2 a 1 e a vantagem para o jogo de volta. Vantagem essa que, afinal, acabou sendo desnecessária, pois depois de ser poupado contra o Corinthians/PR, retornou com tudo no jogo de volta contra o Tigre e marcou quatro, dos cinco gols atleticanos.

Na última partida, contra o Arapongas, válida pela 9ª rodada do Paranaense, Guerrón voltou a marcar, de pênalti, alcançando a impressionante marca de 11 gols em 9 jogos.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…