21 abr 2012 - 15h04

Vamos, oh meu Furacão!!!

Ricardinho ou Marcinho no ataque? Quem será o companheiro de Manoel na zaga? Zezinho ou Ligüera no meio? Essas são algumas das dúvidas que rondam a cabeça dos milhares de torcedores atleticanos espalhados pelo Brasil e pelo mundo, todos na expectativa de mais uma clássico envolvendo as duas maiores forças do Estado, Atlético e Coritiba, que duelam amanhã no Couto Pereira em importante partida decisiva no Campeonato Paranaense.

Durante a semana, o mistério em relação às escalações cercou os dois lados, tanto rubro-negro quanto alviverde. No Atletiba de nº 350 estará em jogo os caminhos que definirão o título do Campeonato Paranaense 2012. De um lado está o Coritiba, que atualmente lidera returno, e precisa pelo menos de um empate pra tentar ser campeão do segundo turno. Do outro está o Atlético, campeão do primeiro turno, e que precisa da vitória para assumir a liderança e chegar com vantagem na última partida, diante do Paranavaí, dependendo apenas de si para conquistar o torneio. Um clássico que promete muitas emoções neste domingo.

Um dos ingredientes que permeiam o Atletiba está nas arquibancadas. A partida no Couto Pereira terá a presença de somente torcedores alviverdes, a exemplo do que ocorreu no primeiro turno, quando apenas atleticanos acompanharam o clássico na Vila Capanema.

Assim que os 11 escolhidos por Juan Ramón Carrasco pisarem no gramado do Couto Pereira, eles não terão a quem saudar na arquibancada, mas terão a certeza de que a poucos metros dali outros milhares de rubro-negros estarão na torcida, incentivando, apoiando e enviando energias positivas para que a equipe alcance mais um resultado positivo na competição.

É hora de se doar, de fazer história, de jogar com amor à camisa com vibração e, como diz a letra da música que embala a torcida atleticana: “Vamos lutar por mais essa taça! Vamos Rubro-Negro, com garra e com raça!”



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…